Menino espanhol ficou sem mamilos e com queimaduras graves após engano na dose de medicamento

Um menino de 11 anos, natural de Cáceres, na Estremadura, ficou com queimaduras graves na pele, caíram-lhe as unhas, os mamilos e quase ficou cego na sequência da administração de uma dose de medicamento quatro vezes superior ao normal, avança...

Menino espanhol ficou sem mamilos e com queimaduras graves após engano na dose de medicamento
Um menino de 11 anos, natural de Cáceres, na Estremadura, ficou com queimaduras graves na pele, caíram-lhe as unhas, os mamilos e quase ficou cego na sequência da administração de uma dose de medicamento quatro vezes superior ao normal, avança o Notícias ao Minuto. A história de Lucas, que precisou de ser submetido a quimioterapia para sobreviver, foi contada pelo El Mundo. O menino recebeu uma dose a quadruplicar de Lamictal, um tratamento para epilepsia, por ter sido confundido com outro medicamento, e acabou por desenvolver síndrome de Stevens-Johnson, uma necrólise epidérmica tóxica comummente causada por medicamentos ou por infecções, cujos sintomas incluem descamação da pele, dores no corpo, febre e bolhas e feridas nas membranas mucosas. A mãe da criança, Cristina Paredes, indicou à referida fonte que Lucas foi transportado para o Hospital La Paz, em Madrid, "à beira da morte", tendo permanecido mais de duas semanas nos Cuidados Intensivos, tendo sido necessário coser-lhe as pálpebras, com oito pontos em cada olho, para que a infeção não o deixasse cego. De acordo com o Notícias ao Minuto, o menino sobreviveu, apesar de ter ficado com deformações físicas e com problemas renais e hepáticos. Os pais vão agora abrir um processo contra o Servicio Extremeño de Salud (SES, as autoridades de saúde da Estremadura), pela cadeia de erros grosseiros levados a cabo por, pelo menos, três centros de saúde. "O erro aconteceu por se terem misturado vários medicamentos deste género e por um erro de dose... E agora, que está a ser seguido em Madrid, nem sequer está a tomar antiepiléticos e disseram-nos que, se calhar, nem os devia ter tomado estes anos todos", afirmou a mãe.