Mercado Municipal no Estreito de Câmara de Lobos

A Câmara Municipal de Câmara de Lobos informa em comunicado que apresentou, esta manhã, pelas 10 horas, no Mercado Municipal do Estreito de Câmara de Lobos, uma campanha para a promoção do consumo sustentável nos mercados municipais. Em resultado...

Mercado Municipal no Estreito de Câmara de Lobos
A Câmara Municipal de Câmara de Lobos informa em comunicado que apresentou, esta manhã, pelas 10 horas, no Mercado Municipal do Estreito de Câmara de Lobos, uma campanha para a promoção do consumo sustentável nos mercados municipais. Em resultado de uma candidatura ao Fundo Ambiental, no âmbito da medida ‘Logística Descarbonizada e Economia Circular para Mercados Tradicionais de Frescos”, a autarquia de Câmara de Lobos deu início à campanha denominada “Produção e Consumo Sustentável – Mercados de Câmara de Lobos’, tendo em vista implementar medidas amigas do ambiente nos mercados. O projeto “Produção e Consumo Sustentável – Mercados de Câmara de Lobos” pretende induzir mudanças nos hábitos dos consumidores, nomeadamente a substituição dos sacos de plástico pelos reutilizáveis no transporte de frutas e legumes, a introdução de uma economia circular com o aproveitamento dos resíduos dos produtores para o seu uso como adubo e, simultaneamente, a consciencialização de toda uma comunidade para a necessidade premente de adotar medidas que ajudem a preservar o meio ambiente, face às alterações climáticas que temos estado a assistir e ao desgaste cada vez maior dos recursos existentes no nosso planeta. A vereadora Graça Barros, responsável pelo pelouro dos mercados, salientou que este projeto visa “contribuir para uma cidadania ativa no âmbito do desenvolvimento sustentável, valorizando, por um lado, o consumo dos produtos de génese local e, por outro lado, incentivar a adoção de práticas ecológicas nos processos de comercialização”. Segundo a autarca, o projeto hoje apresentado visa a dinamização de um conjunto de “ações de sensibilização e educação ambiental para clientes e comerciantes, numa lógica de valorização dos produtos tradicionais, integrada numa estratégia de estimulação de agricultura orgânica local”. Segundo nota da autarquia, o projeto compreende três vertentes: “RE-USO O MEU SACO - Através desta ação, será incentivado o uso de sacos produzidos com materiais sustentáveis, reutilizáveis e recicláveis, os quais serão fornecidos aos comerciantes para disponibilizar para venda ao público em geral a um preço simbólico. COMPOSTO AMIGO - Recolha de resíduos verdes provenientes da atividade do mercado (restos de legumes e frutas, cascas, ramos e folhas…) e encaminhamento para compostagem na Quinta da Leonor, tendo em vista a produção de composto orgânico, para ser reutilizado na fertilização de jardins públicos concelhios. (RE) EDUCO - Realização de ações de sensibilização junto dos comerciantes, produtores e consumidores para as problemáticas ambientais inerentes ao funcionamento dos mercados, enfatizando a necessidade de mudança de hábitos: reutilização de sacos, redução da dependência de combustíveis fósseis bem como da emissão de gases com efeito de estufa”. Conclui a mesma fonte que o projeto envolveu um investimento na ordem dos 30 mil euros, e foi financiado em 95% pelo Fundo Ambiental.