Miguel Oliveira lamenta "desfecho inglório" no GP da Catalunha de MotoGP

O piloto português Miguel Oliveira (KTM) lamentou hoje o "desfecho inglório" que teve no Grande Prémio da Catalunha de MotoGP, onde desistiu, devido a queda, quando seguia no nono lugar. O francês Fabio Quartararo (Yamaha) venceu hoje o Grande Prémio da Catalunha de MotoGP, para recuperar a liderança do Mundial, numa prova em que o português Miguel Oliveira (KTM) desistiu. "Foi um desfecho inglório. A queda aconteceu por falta de temperatura no pneu dianteiro. No ‘warm up', experimentámos o pneu macio, mas vimos que não ia terminar a corrida. Arriscámos com o médio”, disse o piloto da Tech3. Oliveira explicou ainda que, enquanto esteve “em luta com outros pilotos, o pneu dianteiro conseguia manter uma boa temperatura”, mas assim que fez “uma volta sozinho”, ela baixou e, “na primeira esquerda, a superfície estava bastante fria, pelo que não houve nada a fazer para evitar a queda". Este foi o terceiro abandono por queda do piloto português, o primeiro em que não foi abalroado por um adversário. "Foi pena ter tido este desfecho. Podia ter ficado perto do quinto ou do sexto”, sublinhou Miguel Oliveira. Devido à pandemia, o campeonato foi encurtado, pelo que, agora, faltam "seis corridas", sendo que a próxima é dentro de duas semanas, no circuito francês de Le Mans. O piloto português diz que, agora, é tempo de "começar já a preparar a próxima corrida, com a mente positiva". "É a casa da equipa, e quero fazer um bom resultado, até pelo campeonato", destacou o piloto luso, nono classificado, com 59 pontos, precisamente metade dos contabilizados pelo líder, o francês Fabio Quartararo (Yamaha).

Miguel Oliveira lamenta "desfecho inglório" no GP da Catalunha de MotoGP
O piloto português Miguel Oliveira (KTM) lamentou hoje o "desfecho inglório" que teve no Grande Prémio da Catalunha de MotoGP, onde desistiu, devido a queda, quando seguia no nono lugar. O francês Fabio Quartararo (Yamaha) venceu hoje o Grande Prémio da Catalunha de MotoGP, para recuperar a liderança do Mundial, numa prova em que o português Miguel Oliveira (KTM) desistiu. "Foi um desfecho inglório. A queda aconteceu por falta de temperatura no pneu dianteiro. No ‘warm up', experimentámos o pneu macio, mas vimos que não ia terminar a corrida. Arriscámos com o médio”, disse o piloto da Tech3. Oliveira explicou ainda que, enquanto esteve “em luta com outros pilotos, o pneu dianteiro conseguia manter uma boa temperatura”, mas assim que fez “uma volta sozinho”, ela baixou e, “na primeira esquerda, a superfície estava bastante fria, pelo que não houve nada a fazer para evitar a queda". Este foi o terceiro abandono por queda do piloto português, o primeiro em que não foi abalroado por um adversário. "Foi pena ter tido este desfecho. Podia ter ficado perto do quinto ou do sexto”, sublinhou Miguel Oliveira. Devido à pandemia, o campeonato foi encurtado, pelo que, agora, faltam "seis corridas", sendo que a próxima é dentro de duas semanas, no circuito francês de Le Mans. O piloto português diz que, agora, é tempo de "começar já a preparar a próxima corrida, com a mente positiva". "É a casa da equipa, e quero fazer um bom resultado, até pelo campeonato", destacou o piloto luso, nono classificado, com 59 pontos, precisamente metade dos contabilizados pelo líder, o francês Fabio Quartararo (Yamaha).