Miguel Silva Gouveia destaca o Funchal como exemplo da economia do Papa Francisco

O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, esteve presente, esta tarde, no almoço-debate promovido pela Associação Cristã de Empresários e Gestores, subordinado ao tema 'O que é a economia de Francisco?', e que contou...

Miguel Silva Gouveia destaca o Funchal como exemplo da economia do Papa Francisco
O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, esteve presente, esta tarde, no almoço-debate promovido pela Associação Cristã de Empresários e Gestores, subordinado ao tema 'O que é a economia de Francisco?', e que contou com a presença do orador convidado Ricardo Zózimo, professor da Nova Scholl Business and Economics de Lisboa.   Miguel Silva Gouveia referiu que “tratou-se de uma apresentação pública daquele que será o grande encontro “A Economia de Francisco”, que se vai realizar de 26 de 27 de março em Itália, onde serão debatidos e repensados todos os modelos económicos, na tentativa de dar uma maior humanização aos próprios modelos, sendo que ficamos a conhecer os três eixos fundamentais que o Papa Francisco e a Igreja procuram também trazer a discussão, que são os jovens, a economia, e uma agenda ecológica integral”. O presidente destacou, com grande satisfação, que os pilares fundamentais da política do Município do Funchal são “perfeitamente enquadráveis e estão alinhados com esta que é a economia do Papa Francisco, em que procuramos a participação cívica dos nossos jovens na vida da sua cidade, trabalhamos a sustentabilidade nos seus três vértices, ambiental, social e económico, a exemplo do que o papa francisco chama de economia integrada, e por fim, outra das nossas prioridades, que é promoção da equidade e da justiça social, minimizando desigualdades, que é no fundo aquilo que o Papa designa como economia inclusiva”. “No Funchal procuramos salvaguardar que toda a gente consiga desempenhar o seu papel na sociedade e na vida da nossa cidade, para que sejamos capazes de promover um bem estar social que não deixe ninguém para trás”, conclui o presidente.