Mulher desaparecida há 18 anos poderá ter reaparecido em vídeo do TikTok

Sofia Juarez desapareceu a 4 de fevereiro de 2003, dias antes de fazer cinco anos, enquanto caminhava na rua perto da sua casa em Kennewick, estado de Washington, nos Estados Unidos. Duas décadas depois um vídeo do TikTok parece ser a chave para este caso.  Segundo conta o Observador, uma jovem de 22 anos, sentada numa praça em Culican, capital do estado mexicano de Sinaloa, terá sido entrevistada por uma personalidade do TikTok. Disse que tinha 22 anos e que não gostava de celebrar o seu aniversário, porque algumas pessoas diziam que foi sequestrada um dia antes do seu quinto aniversário. Depois de este vídeo ter sido divulgado na internet, vários utilizadores do TikTok contactaram a polícia de Kennewick que agora está a investigar se a mulher pode ser Sofia Juarez. “Estamos cientes do vídeo do TikTok. Estamos a conduzir uma investigação sobre o vídeo. Obrigado a todos aqueles que nos enviaram informações. Estamos gratos por isso”, informou a polícia em comunicado publicado no final de abril, citada pela mesma fonte. Al Wehner, investigador especial, terá revelado à CNN que a polícia de Kennewick já entrou em contacto com a pessoa que entrevistou a mulher no vídeo. “Ele está a ajudar-nos a tentar localizar a mulher em Culican”, disse Al Wehner, considerando que “existem algumas semelhanças muito óbvias” entre a mulher do TikTok e a menina desaparecida há 18 anos. Quando conseguirem detetar novamente a mulher, o intuito é pedir-lhe que faça um teste de ADN para comparar com o perfil de Sofia Juarez que recolheram na altura e que têm em arquivo. No entanto, pessoas que se dizem familiares da mulher entrevistada entraram em contacto com o TikTok para garantir que não se trata de Sofia Juarez e para pedir que esta rede social retire o vídeo. Mais tarde, os investigadores terão ainda identificado uma testemunha “altamente confiável” que lhes disse que viu uma criança com uma aparência correspondente à da menina de quatro anos, no local e no período de tempo do desaparecimento. A testemunha terá explicado à polícia que viu uma pessoa a aproximar-se da criança e a levá-la, em prantos. “A polícia tem uma descrição detalhada dessa pessoa, mas a está a guardar a informação neste momento para fins de investigação”, lê-se no site da polícia, citada pelo Observador. Também estará a ser alvo de investigação uma carrinha azul clara ou cinzenta, do final dos anos 70 ou início dos anos 80, sem janelas laterais, que foi vista parada numa rua lateral ao local onde Sofia Juarez desapareceu. A CNN refere que a mãe de Sofia Juarez morreu em 2009, sem saber o que tinha acontecido à filha, mas a polícia mantém contacto com outros familiares.  

Mulher desaparecida há 18 anos poderá ter reaparecido em vídeo do TikTok
Sofia Juarez desapareceu a 4 de fevereiro de 2003, dias antes de fazer cinco anos, enquanto caminhava na rua perto da sua casa em Kennewick, estado de Washington, nos Estados Unidos. Duas décadas depois um vídeo do TikTok parece ser a chave para este caso.  Segundo conta o Observador, uma jovem de 22 anos, sentada numa praça em Culican, capital do estado mexicano de Sinaloa, terá sido entrevistada por uma personalidade do TikTok. Disse que tinha 22 anos e que não gostava de celebrar o seu aniversário, porque algumas pessoas diziam que foi sequestrada um dia antes do seu quinto aniversário. Depois de este vídeo ter sido divulgado na internet, vários utilizadores do TikTok contactaram a polícia de Kennewick que agora está a investigar se a mulher pode ser Sofia Juarez. “Estamos cientes do vídeo do TikTok. Estamos a conduzir uma investigação sobre o vídeo. Obrigado a todos aqueles que nos enviaram informações. Estamos gratos por isso”, informou a polícia em comunicado publicado no final de abril, citada pela mesma fonte. Al Wehner, investigador especial, terá revelado à CNN que a polícia de Kennewick já entrou em contacto com a pessoa que entrevistou a mulher no vídeo. “Ele está a ajudar-nos a tentar localizar a mulher em Culican”, disse Al Wehner, considerando que “existem algumas semelhanças muito óbvias” entre a mulher do TikTok e a menina desaparecida há 18 anos. Quando conseguirem detetar novamente a mulher, o intuito é pedir-lhe que faça um teste de ADN para comparar com o perfil de Sofia Juarez que recolheram na altura e que têm em arquivo. No entanto, pessoas que se dizem familiares da mulher entrevistada entraram em contacto com o TikTok para garantir que não se trata de Sofia Juarez e para pedir que esta rede social retire o vídeo. Mais tarde, os investigadores terão ainda identificado uma testemunha “altamente confiável” que lhes disse que viu uma criança com uma aparência correspondente à da menina de quatro anos, no local e no período de tempo do desaparecimento. A testemunha terá explicado à polícia que viu uma pessoa a aproximar-se da criança e a levá-la, em prantos. “A polícia tem uma descrição detalhada dessa pessoa, mas a está a guardar a informação neste momento para fins de investigação”, lê-se no site da polícia, citada pelo Observador. Também estará a ser alvo de investigação uma carrinha azul clara ou cinzenta, do final dos anos 70 ou início dos anos 80, sem janelas laterais, que foi vista parada numa rua lateral ao local onde Sofia Juarez desapareceu. A CNN refere que a mãe de Sofia Juarez morreu em 2009, sem saber o que tinha acontecido à filha, mas a polícia mantém contacto com outros familiares.