Município do Porto Santo concorda com a afirmação da Binter sobre as taxas aeroportuárias

O autarca Idalino Vasconcelos reitera e subscreve as afirmações públicas de Miguel Suarez, diretor comercial e de marketing da Binter, que afirmou que as “taxas tornam custo da ligação inter-ilhas uma loucura”. Isso, recordou, a propósito do...

Município do Porto Santo concorda com a afirmação da Binter sobre as taxas aeroportuárias
O autarca Idalino Vasconcelos reitera e subscreve as afirmações públicas de Miguel Suarez, diretor comercial e de marketing da Binter, que afirmou que as “taxas tornam custo da ligação inter-ilhas uma loucura”. Isso, recordou, a propósito do primeiro ano de serviço completo daquela companhia na rota Funchal - Porto Santo - Funchal. O presidente da Câmara Municipal do Porto Santo é ainda mais contundente e afirma que “essas taxas são o maior travão ao desenvolvimento da ilha, tal como tem tido por diversas vezes, nos mais diversos meios, pela contínua desproporção dos preços cobrados em taxas”. O município recorda que este assunto não é novo e tem sido recorrente e refere que, em setembro de 2018, enviaram uma carta ao secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme D’ Oliveira Martins, a dar conta das preocupações do presidente da Câmara, relativamente às condições de operação da linha aérea Porto Santo – Funchal. No entanto, ainda estão a aguardar agendamento de reunião, adiantam. De igual forma, adiantam, “a Câmara tem vindo a trabalhar com a Vice-Presidência do Governo Regional da Madeira, nomeadamente, para sensibilizar a República no sentido de fazer ver as nossas preocupações, que residem, essencialmente, nas elevadas taxas aeroportuárias, dada a especificidade e dupla insularidade da ilha do Porto Santo”. “A linha Funchal - Porto Santo - Funchal, como se sabe, tem um custo de 32,50€ em taxas e num percurso semelhante, mas no arquipélago vizinho das Canárias, custa, como já sabemos, cerca de 4€, ou seja, oito vezes inferior”, reitera. A autarquia mais recorda que, “na comemoração dos 600 anos do Descobrimento do Porto Santo, em 1 de novembro de 2018, e aproveitando a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, Idalino Vasconcelos referiu a sua preocupação com ‘as questões ligadas aos transportes aéreos que merecem a devida atenção da República, por várias razões, mas principalmente, pelo peso das taxas aeroportuárias que oneram substancialmente o custo final das ligações aéreas’”.   Assim, o município do Porto Santo disse esperar que “estas taxas sejam revistas, num futuro breve, para que seja possível fomentar o desenvolvimento económico da ilha”. “Não queremos, evidentemente, que a porta de entrada aérea seja um entrave à mobilidade de residentes e turistas”. “Como está, continua a não servir”, rematou o presidente da Câmara Municipal, além de referir que continua a sensibilizar a companhia para a questão dos horários dos voos.