“O PSD neste momento é um partido do empata”, Célia Pessegueiro

Célia Pessegueiro também intervém na cerimónia de abertura, na condição de autarca da Ponta do Sol. Tal como os testemunhos deixados anteriormente por outros presidentes, a oratória incidiu nas diferenças entre o antes e o depois.  No antes esteve o PSD, no depois o PS e Célia Pessegueiro esmiuçou tudo aquilo que mudou na Ponta do Sol, onde “devolvemos dignidade à Câmara e centramos a autarquia nos munícipes”. "Estamos a investir para que a Câmara esteja na casa das pessoas, estamos a preparar um balcão online”, revelou, lembrando a inauguração da Loja do Munícipe, que será, então, complementado com este novo serviço, que começa a ser preparado. Célia Pessegueiro lembrou os constantes obstáculos levantados pela oposição, num concelho onde o PS não tem a maioria absoluta e ainda a reprovação de empréstimos. “Os municípios não precisam de ficar dependentes de uma Águas e Resíduos da Madeira”, projetando obras a este nível no seu concelho.  “O PSD neste momento é um partido do empata, porque isso lhes dá jeito para as eleições do próximo ano”, disse também. Célia Pessegueiro deixou ainda uma indireta para José Prada que, como vice presidente da ALRAM esteve nas cerimónias oficiais dos 519 anos da Ponta do Sol, com um discurso que desagradou aos socialistas. Aliás, o seu conteúdo foi mesmo alvo de um voto de protesto do grupo parlamentar, que será em breve apreciado e votado em plenário. Nas suas críticas poderão estar agregadas as palavras de Pedro Calado no mesmo momento, embora Célia não tivesse identificado os destinatários. Mas, disse, "esperemos que em breve tenhamos um governo que se saiba comportar quando convidado, que não seja mal educado e com um discurso rasca".

“O PSD neste momento é um partido do empata”, Célia Pessegueiro
Célia Pessegueiro também intervém na cerimónia de abertura, na condição de autarca da Ponta do Sol. Tal como os testemunhos deixados anteriormente por outros presidentes, a oratória incidiu nas diferenças entre o antes e o depois.  No antes esteve o PSD, no depois o PS e Célia Pessegueiro esmiuçou tudo aquilo que mudou na Ponta do Sol, onde “devolvemos dignidade à Câmara e centramos a autarquia nos munícipes”. "Estamos a investir para que a Câmara esteja na casa das pessoas, estamos a preparar um balcão online”, revelou, lembrando a inauguração da Loja do Munícipe, que será, então, complementado com este novo serviço, que começa a ser preparado. Célia Pessegueiro lembrou os constantes obstáculos levantados pela oposição, num concelho onde o PS não tem a maioria absoluta e ainda a reprovação de empréstimos. “Os municípios não precisam de ficar dependentes de uma Águas e Resíduos da Madeira”, projetando obras a este nível no seu concelho.  “O PSD neste momento é um partido do empata, porque isso lhes dá jeito para as eleições do próximo ano”, disse também. Célia Pessegueiro deixou ainda uma indireta para José Prada que, como vice presidente da ALRAM esteve nas cerimónias oficiais dos 519 anos da Ponta do Sol, com um discurso que desagradou aos socialistas. Aliás, o seu conteúdo foi mesmo alvo de um voto de protesto do grupo parlamentar, que será em breve apreciado e votado em plenário. Nas suas críticas poderão estar agregadas as palavras de Pedro Calado no mesmo momento, embora Célia não tivesse identificado os destinatários. Mas, disse, "esperemos que em breve tenhamos um governo que se saiba comportar quando convidado, que não seja mal educado e com um discurso rasca".