Olavo Câmara reivindica "livre escolha dos madeirenses" na mobilidade

Olavo Câmara, deputado do Partido Socialista-Madeira à Assembleia da República, defendeu, hoje, de forma acérrima, a coesão e continuidade territorial, tendo em atenção também a realidade das Regiões Autónomas. No âmbito da discussão na especialidade...

Olavo Câmara reivindica "livre escolha dos madeirenses" na mobilidade
Olavo Câmara, deputado do Partido Socialista-Madeira à Assembleia da República, defendeu, hoje, de forma acérrima, a coesão e continuidade territorial, tendo em atenção também a realidade das Regiões Autónomas. No âmbito da discussão na especialidade do Orçamento do Estado, o parlamentar madeirense frisou que a coesão territorial não se resume à ligação entre o litoral e o interior e que o grande desafio é também ligar as Regiões ao resto do país. “Neste ponto, os transportes, quer aéreos, quer marítimos, de passageiros ou mercadorias, são fundamentais para promover a coesão territorial entre as regiões autónomas e o resto do país”, disse, aquando da audição à ministra da tutela. “A mobilidade entre a Madeira e o Continente tem de ser uma realidade, não uma dificuldade. A escolha entre viajar de avião ou de barco tem de ser uma escolha dos madeirenses. A escolha entre viajar durante o dia ou à noite tem de ser uma escolha dos madeirenses. A escolha entre enviar carga de barco ou de avião tem de ser uma escolha das empresas madeirenses”, frisou. Salientando que esta tem de ser uma escolha livre, Olavo Câmara alertou que tal depende também dos governos nacional e regional. “A escolha de ter uma ligação ferry entre o Continente e a Madeira, de ter várias companhias aéreas a operar para a Região e de ter transporte de mercadorias adequado depende do Estado e do Governo Regional”, advertiu.   Nesse sentido, o deputado questionou a ministra da Coesão Territorial sobre se “podemos contar consigo para tomar as decisões necessárias para tornar as escolhas dos madeirenses mais livres e promover uma maior coesão territorial entre as Regiões Autónomas e o Continente”.