Ordem dos Médicos: Sucessor critica renúncia de António Pedro Freitas

A tomada de posse de Gonçalo Silva, esta tarde, na presidência da Ordem dos Médicos na RAM, ficou marcada por críticas a António Pedro Freitas, que renunciou ao cargo para ajudar o candidato do PS, Paulo Cafôfo, no programa eleitoral para a...

Ordem dos Médicos: Sucessor critica renúncia de António Pedro Freitas
A tomada de posse de Gonçalo Silva, esta tarde, na presidência da Ordem dos Médicos na RAM, ficou marcada por críticas a António Pedro Freitas, que renunciou ao cargo para ajudar o candidato do PS, Paulo Cafôfo, no programa eleitoral para a área da Saúde. "O pedido de renúncia de funções do Dr. António Pedro Freitas foi naturalmente contrário ao espírito e vontade com que nos prousemos quando concorremos para desempenhar estas funções, foi contrário ao mandato que nos foi concedido não só por todos os médicos que votaram em nós como por todos os médicos inscritos no Conselho Médico da RAM", declarou o novo presidente do Conselho Medico que anteriormente desempenhava a função de vice-presidente. Gonçalo Silva disse também que há três anos quando foi convidado para participar neste projeto foi para ele "muito importante a garantia dada" de que não haveria "qualquer motivação partidária subjacente". "É com mágoa que assumo que a partir de certa altura no decorrer do atual mandato esse princípio deixou de estar explícito de forma clara. A partir deste momento, assumindo a direção deste Conselho Médico, é para mim ponto de honra, que essa condição se volte a verificar", sublinhou. Deixou ainda claro que depois de cumprir o mandato não estará disponível para uma lista de continuidade.  O ineditismo desta situação começou por ser vincado pelo presidente da Assembleia Distrital da Ordem dos Médicos, Luís Resende, que também manifestou desacordo pela atitude do anterior presidente. Também Alexandre Lourenço, presidente da Secção Regional do Sul da Ordem dos Médicos, considerou o momento 'sui generis' e apelou à defesa da Medicina, sem ideologias, sem políticas e sem discriminações para que continue a ser "um fator de coesão social". O dirigente da Ordem a nível nacional teceu elogios ao novo hospital central do Funchal que espera ver concretizado. Alexandre Lourenço considera que o futuro hospital, devidamente equipado, vai atrair mais médicos e especialidades diferenciadas.  A cerimónia contou com a presença do Secretário Regional da Saúde, Pedro Ramos, e do presidente do IASAÚDE, Herberto Jesus. Na ocasião foi também entregue a medalha dos 50 anos de inscrição na Ordem ao cardiologista Martim Diniz. De acordo com a nova orgânica da Direção, Ana Teixeira é a nova vice-presidente. Pedro Balza é o secretário, Nuno Santos o tesoureiro e Filipe Bacelar vogal.