Orlando Fernandes estranha anúncio de auditoria externa à Frente MarFunchal

O deputado municipal independente Orlando Fernandes estranha o anúncio de auditoria externa à Frente MarFunchal, numa nota enviada ao JM, em que começa por realçar ter sido anunciado "em plena Assembleia Municipal do Funchal, no passado dia...

Orlando Fernandes estranha anúncio de auditoria externa à Frente MarFunchal
O deputado municipal independente Orlando Fernandes estranha o anúncio de auditoria externa à Frente MarFunchal, numa nota enviada ao JM, em que começa por realçar ter sido anunciado "em plena Assembleia Municipal do Funchal, no passado dia 28 de fevereiro, pelo presidente Miguel Gouveia, que já teria sido iniciada uma auditoria à Frente MarFunchal". “Estranhamos que tal anúncio só tenha sido feito após a entrada de uma proposta de resolução, por mim apresentada, intitulada ‘Propomos que esta Assembleia promova a realização da  auditoria externa à empresa municipal Frente MarFunchal, aprovada na Assembleia Municipal de 26 de fevereiro de 2019, não executada pela Câmara Municipal do Funchal, iniciando o procedimento de imediato, com o objetivo de determinar as causas do desequilíbrio nas suas contas, e que a Câmara Municipal do Funchal dote esta Assembleia dos meios financeiros para a sua realização’”, realçou. “Esta proposta foi aprovada por maioria”, frisou ainda o deputado, que disse estranhar “o comportamento de total hostilização, por parte do executivo camarário, relativamente às decisões da Assembleia Municipal, nomeadamente as propostas de resolução sobre o tema da auditoria externa à Frente MarFunchal e à Comissão Eventual de Acompanhamento à Auditoria Externa aquela empresa, à qual presido, ambas aprovadas por maioria em 26 de fevereiro de 2019 e 29 de abril de 2019, respetivamente”. Nesse sentido, Orlando Fernandes considerou que, “se efetivamente foi iniciada essa auditoria, era obrigação do executivo camarário informar a Assembleia Municipal e a Comissão Eventual. Tal não aconteceu, o que lamento”, sublinhou. Dessa forma, acrescentou, “e face às dúvidas, fundadas na inexistência de tal comunicação”, decidiu enviar ao presidente da Câmara Municipal um requerimento no qual pede documentação vária relacionada com a auditoria.