Palavras de ministro sobre TAP devem-se ao facto "de não residir ou ter família na Madeira"

Miguel Albuquerque disse hoje que as palavras do ministro das Infraestruturas e da Habitação sobre a privatização da TAP "derivam da circunstância de não residir ou ter família na Madeira". Ontem, em audição parlamentar, Pedro Nuno Santos tinha...

Palavras de ministro sobre TAP devem-se ao facto
Miguel Albuquerque disse hoje que as palavras do ministro das Infraestruturas e da Habitação sobre a privatização da TAP "derivam da circunstância de não residir ou ter família na Madeira". Ontem, em audição parlamentar, Pedro Nuno Santos tinha dito que se a TAP fosse totalmente privada tal como "o PSD queria", os deputados social-democratas "levavam com os preços" que a empresa quisesse. À margem de uma visita às obras de recuperação do Convento de Santa Clara, o presidente do Governo Regional acrescentou ainda que "se o ministro acha que preços de 600 euros são baratos, então gostava que explicasse o que é caro". "Se hoje o Estado não estivesse na TAP, eu tinha dúvidas se a TAP ainda cá estava", declarou ontem Pedro Nuno Santos, tendo afirmado ainda que “se o Estado não estivesse na TAP, a preocupação com o custo dos bilhetes da Madeira" não teria lugar no parlamento, já que a empresa seria totalmente privada, rematando: “Comia os preços e calava”.