Paulo Oliveira conta o que encontrou nos aeroportos e na Quinta do Lorde

Depois de um período de muita incerteza e preocupação, Paulo Oliveira e Filipa Fernandes, que estiveram retidos na Guiné Bissau durante alguns dias, já se encontram em casa, depois de cumprirem dois dias de quarentena na Quinta do Lorde. O JM publica um texto da autoria de Paulo Oliveira, que faz questão de elogiar as medidas de segurança que encontrou até ao momento. “Quarentena na Quinta do Lorde No dia 26 deste mês aterramos no aeroporto da Madeira. Nossa viagem teve algumas peripécias e estávamos um pouco expectantes relativamente a este novo contratempo: Quarentena de 14 dias na Quinta do Lorde. Não obstante virmos de um país que até à data da nossa saída não tinha casos registados, ter passado por um aeroporto de Lisboa deserto e viajado num voo com muita pouca gente, o que baixava bastante a probabilidade de estarmos infetados com o Covid-19, estávamos expectantes mas convictos do mérito desta medida. Logo no aeroporto fomos confrontados com uma operação aparatosa, mas no seu essencial bem montada e a funcionar relativamente bem. Fomos acolhidos na Quinta do Lorde, encaminhados para os quartos onde permanecemos, felizmente não os 14, mas unicamente 2 dias.   A primeira imagem de uma operação bem montada e a funcionar bem, foi-se confirmando ao longo de todas as fases do processo. Escrevo estas linhas exatamente para dar conta disso. Dar os parabéns a todos os que estão no planeamento e implementação desta complexa operação. Obviamente que existem aspetos a melhorar, mas importa não esquecer que tudo isto foi montado em tempo record e durante um estado de emergência. Estou certo que aos poucos as ineficiências serão devidamente acauteladas. Uma palavra especial para aqueles que estão no terreno, funcionários públicos, forças de segurança e também staff da Quinta do Lorde, que de forma empenhada, também com muita simpatia, se preocupavam para que esta quarentena fosse o menos penosa possível. Uma última demonstração da organização existente é a velocidade com que recebemos o telefonema com os resultados dos testes. O teste deu negativo, o que não surpreendeu o nosso otimismo, pelo que recebemos uma longa e exaustiva lista de recomendações de como continuar esta quarentena no domicilio. Como todos somos poucos, quando acabar esta quarentena estou disponível para ser voluntário, no que for útil, e cuidar dos outros como cuidaram de mim! Obrigado.”

Paulo Oliveira conta o que encontrou nos aeroportos e na Quinta do Lorde
Depois de um período de muita incerteza e preocupação, Paulo Oliveira e Filipa Fernandes, que estiveram retidos na Guiné Bissau durante alguns dias, já se encontram em casa, depois de cumprirem dois dias de quarentena na Quinta do Lorde. O JM publica um texto da autoria de Paulo Oliveira, que faz questão de elogiar as medidas de segurança que encontrou até ao momento. “Quarentena na Quinta do Lorde No dia 26 deste mês aterramos no aeroporto da Madeira. Nossa viagem teve algumas peripécias e estávamos um pouco expectantes relativamente a este novo contratempo: Quarentena de 14 dias na Quinta do Lorde. Não obstante virmos de um país que até à data da nossa saída não tinha casos registados, ter passado por um aeroporto de Lisboa deserto e viajado num voo com muita pouca gente, o que baixava bastante a probabilidade de estarmos infetados com o Covid-19, estávamos expectantes mas convictos do mérito desta medida. Logo no aeroporto fomos confrontados com uma operação aparatosa, mas no seu essencial bem montada e a funcionar relativamente bem. Fomos acolhidos na Quinta do Lorde, encaminhados para os quartos onde permanecemos, felizmente não os 14, mas unicamente 2 dias.   A primeira imagem de uma operação bem montada e a funcionar bem, foi-se confirmando ao longo de todas as fases do processo. Escrevo estas linhas exatamente para dar conta disso. Dar os parabéns a todos os que estão no planeamento e implementação desta complexa operação. Obviamente que existem aspetos a melhorar, mas importa não esquecer que tudo isto foi montado em tempo record e durante um estado de emergência. Estou certo que aos poucos as ineficiências serão devidamente acauteladas. Uma palavra especial para aqueles que estão no terreno, funcionários públicos, forças de segurança e também staff da Quinta do Lorde, que de forma empenhada, também com muita simpatia, se preocupavam para que esta quarentena fosse o menos penosa possível. Uma última demonstração da organização existente é a velocidade com que recebemos o telefonema com os resultados dos testes. O teste deu negativo, o que não surpreendeu o nosso otimismo, pelo que recebemos uma longa e exaustiva lista de recomendações de como continuar esta quarentena no domicilio. Como todos somos poucos, quando acabar esta quarentena estou disponível para ser voluntário, no que for útil, e cuidar dos outros como cuidaram de mim! Obrigado.”