PDR critica governação PSD e diz que está na “altura certa para mudar”

O objetivo do PDR nas legislativas da Madeira, em 22 de setembro, é a eleição de um deputado, mostrando-se também disponível para coligações com qualquer partido exceto o PSD, explicou o cabeça de lista, Filipe Rebelo. "Está na altura certa...

PDR critica governação PSD e diz que está na “altura certa para mudar”
O objetivo do PDR nas legislativas da Madeira, em 22 de setembro, é a eleição de um deputado, mostrando-se também disponível para coligações com qualquer partido exceto o PSD, explicou o cabeça de lista, Filipe Rebelo. "Está na altura certa para mudar, para haver uma mudança positiva. Agora mais vale somar do que subtrair. Aqui é que está o grande ganho", disse em entrevista à agência Lusa, realçando, como exemplo, que o país registou "mais capacidade económica" com o governo da geringonça (PS, com apoio parlamentar do Bloco de Esquerda, PCP e PEV). O candidato criticou o "currículo de quarenta anos de governação" do PSD no arquipélago da Madeira, considerando que conduziu à "perda da autonomia". "A Madeira neste momento perdeu a autonomia e a gente tem de ganhá-la. Perdemos a continuidade territorial, perdemos imensa coisa. Temos de ir recuperar tudo o que é nosso, aquilo que conquistámos nos últimos quarenta anos", salientou. Filipe Rebelo sublinhou que o objetivo do PDR, partido que integra a coligação Confiança, que governa a Câmara Municipal do Funchal, juntamente com o PS, BE e Nós, Cidadãos!, é agora ter assento na Assembleia Legislativa da Madeira. Nesse caso, o partido está disponível para estabelecer coligações e acordos com qualquer força partidária menos com o PSD, que detém a maioria absoluta - 24 deputados num total de 47. O parlamento regional conta com representantes de sete partidos - PSD, CDS-PP, PS, JPP, BE, PCP, PTP - e ainda um deputado independente. "Basta de ser sempre os mesmos. Temos de mudar. Uma mudança positiva, com ou sem geringonça. Estamos aqui para mudar, mudar para as pessoas", disse o candidato do Partido Democrático Republicano. Filipe Rebelo apontou como prioridades a educação, em particular a educação especial, os transportes para pessoas com mobilidade reduzida, a saúde, a necessidade de reabilitar infraestruturas e criar mais lares de terceira idade. O cabeça de lista pretende também estimular a criação de emprego e incentivar o setor do turismo, pois considera que este entrou em fase de queda. "Estamos a perder a olhos vistos turismo e a gente anda a tapar o sol com a peneira", disse, realçando a necessidade de acabar com o "monopólio" ao nível dos transportes aéreos e apostar na liberalização das companhias aéreas. Filipe Rebelo tem 38 anos, é licenciado em Educação Física e Desporto e atualmente desempenha funções de gestor na empresa municipal SocioHabita Funchal.