Pedro Ramos: "Seria criminoso" investir 75 milhões de euros "em apenas 20 mil pessoas"

O secretário regional da Saúde anunciou hoje que as obras de remodelação do Centro de Saúde do Seixal serão contempladas no próximo programa do Governo. “A aposta nos cuidados de saúde primários, nos cuidados continuados e nos cuidados paliativos...

Pedro Ramos: "Seria criminoso" investir 75 milhões de euros "em apenas 20 mil pessoas"
O secretário regional da Saúde anunciou hoje que as obras de remodelação do Centro de Saúde do Seixal serão contempladas no próximo programa do Governo. “A aposta nos cuidados de saúde primários, nos cuidados continuados e nos cuidados paliativos continuará, pois esta é a aposta do governo para os próximos anos. O Centro de Saúde do Seixal necessita de fazer beneficiações que serão feitas na próxima legislatura”, disse, acrescentando que as modificações que serão feitas vão possibilitar o aparecimento de outras atividades. “Com mais recursos humanos, naturalmente que conseguimos dar melhor resposta e maior resposta”, enfatizou, durante a cerimónia do 466.º aniversário da Freguesia do Seixal, no Porto Moniz, a que presidiu em representação do presidente do Governo Regional. O secretário regional da Saúde adiantou que, atualmente, o centro de saúde do Seixal já tem 100% de cobertura, como todo o concelho do Porto Moniz, havendo quase 700 doentes inscritos, que beneficiam de consultas médicas e de enfermagem, de psicologia, de nutrição, de reabilitação. Apesar de ser necessário melhorar e aproveitar o edifício, “só o ano passado fizeram mais de 1.000 consultas de enfermagem e mais de 1000 consultas médicas diretas e indiretas à população”. Pedro Ramos destacou, por outro lado, os investimentos em saúde realizados pelo Governo na Região. “O investimento existe e é real, não é virtual. Ao longo desta legislatura, o orçamento da Saúde totalizou um orçamento regional: dois mil milhões de euros. E este investimento foi feito nos profissionais, no equipamento, na tecnologia, em toda a prestação de cuidados de saúde, em infraestruturas, e foi feito na organização e planificação das valências que podem existir em toda esta zona e em todo o concelho do Porto Moniz”, disse, salientando que a saúde “não precisa de populismos e de demagogia fácil”, nem “é só listas de espera”. Sem aludir diretamente à proposta de Paulo Cafôfo de recorrer a 75 milhões de euros para combater as listas de espera, Pedro Ramos mencionou, no entanto, que “75 milhões de euros” é a verba gasta em medicação na Região Autónoma da Madeira para tratar 250 mil pessoas. “Não investimos esse dinheiro em apenas 20 mil pessoas. Seria criminoso, seria remover a equidade do acesso à saúde e prejudicar a generalidade e a universalidade desse mesmo acesso. A aposta tem de ser nos recursos humanos. Só assim tratamos e cuidamos das pessoas. Só assim poderemos aumentar a humanização dos serviços interna e externamente”, afirmou, declarando que “o Serviço Regional de Saúde será sempre o único a dar resposta a todas as especialidades”.