Pelo menos 44 garimpeiros e 21 soldados morrem em confrontos no norte do Chade

 Pelo menos 65 pessoas, 44 garimpeiros de ouro e 21 soldados, morreram nas últimas horas em confrontos em Zouarké, cidade na província de Tibesti, no extremo norte do Chade, disseram hoje fontes da segurança à agência espanhola EFE. Os confrontos começaram na tarde de sábado e continuaram hoje de manhã, após os garimpeiros terem disparado contra soldados chadianos que realizavam uma missão de vigilância, segundo fontes próximas do Estado-Maior. “Trinta e três soldados em três veículos foram atacados ontem às 17:00 (mesma hora em Lisboa) por garimpeiros de ouro. As nossas forças tentaram resistir, mas face a um número esmagador retiraram”, declarou à EFE um oficial do exército do Chade em Tibesti, que não quis ser identificado. “Pedimos reforços e esperámos até à madrugada de hoje para lançar o assalto final”, adiantou. Nove soldados morreram no sábado e 12 hoje. Segundo a mesma fonte, 44 garimpeiros morreram e o seu equipamento foi completamente destruído. A 13 de maio, pelo menos 27 garimpeiros foram mortos pelas forças de segurança no noroeste do Chade, na fronteira com a Líbia, após serem confundidos com ‘jihadistas’.

Pelo menos 44 garimpeiros e 21 soldados morrem em confrontos no norte do Chade
 Pelo menos 65 pessoas, 44 garimpeiros de ouro e 21 soldados, morreram nas últimas horas em confrontos em Zouarké, cidade na província de Tibesti, no extremo norte do Chade, disseram hoje fontes da segurança à agência espanhola EFE. Os confrontos começaram na tarde de sábado e continuaram hoje de manhã, após os garimpeiros terem disparado contra soldados chadianos que realizavam uma missão de vigilância, segundo fontes próximas do Estado-Maior. “Trinta e três soldados em três veículos foram atacados ontem às 17:00 (mesma hora em Lisboa) por garimpeiros de ouro. As nossas forças tentaram resistir, mas face a um número esmagador retiraram”, declarou à EFE um oficial do exército do Chade em Tibesti, que não quis ser identificado. “Pedimos reforços e esperámos até à madrugada de hoje para lançar o assalto final”, adiantou. Nove soldados morreram no sábado e 12 hoje. Segundo a mesma fonte, 44 garimpeiros morreram e o seu equipamento foi completamente destruído. A 13 de maio, pelo menos 27 garimpeiros foram mortos pelas forças de segurança no noroeste do Chade, na fronteira com a Líbia, após serem confundidos com ‘jihadistas’.