Polícia francesa prende suspeito considerado um dos 10 alvos prioritários de pedofilia do mundo

A polícia francesa prendeu um suspeito de gerir portais na “darknet” que permitiram a “milhares de internautas de todo o mundo ter acesso a fotografias ou vídeos de caráter pedopornográfico”, anunciou hoje o Ministério Público francês. Segundo a procuradoria de Bordéus (sudoeste de França), a detenção ocorreu dia 7 de julho, em Gironde, com o procurador Frédérique Porterie a dar conta de que o suspeito é um dos dez alvos mais procurados no mundo pela difusão de pedofilia e que teve um papel “ativo na produção de fotografias e vídeos de caráter pedopornográfico”. A detenção foi levada a cabo na sequência de uma operação entre a polícia francesa e a Europol. Já sob custódia, o suspeito, de 40 anos e com residência em Gironde, admitiu as acusações de que é alvo e ficou em prisão preventiva. A 9 de julho, no final do primeiro interrogatório, foi indiciado pelas acusações de “difusão em grupo organizado”, “posse e gravação” de imagens de pornografia infantil, “violações incestuosas cometidas sobre um menor por um ascendente” e “agressões sexuais incestuosas sobre um menor de 15 anos por um ascendente”, pormenorizou a Procuradoria de Bordéus.

Polícia francesa prende suspeito considerado um dos 10 alvos prioritários de pedofilia do mundo
A polícia francesa prendeu um suspeito de gerir portais na “darknet” que permitiram a “milhares de internautas de todo o mundo ter acesso a fotografias ou vídeos de caráter pedopornográfico”, anunciou hoje o Ministério Público francês. Segundo a procuradoria de Bordéus (sudoeste de França), a detenção ocorreu dia 7 de julho, em Gironde, com o procurador Frédérique Porterie a dar conta de que o suspeito é um dos dez alvos mais procurados no mundo pela difusão de pedofilia e que teve um papel “ativo na produção de fotografias e vídeos de caráter pedopornográfico”. A detenção foi levada a cabo na sequência de uma operação entre a polícia francesa e a Europol. Já sob custódia, o suspeito, de 40 anos e com residência em Gironde, admitiu as acusações de que é alvo e ficou em prisão preventiva. A 9 de julho, no final do primeiro interrogatório, foi indiciado pelas acusações de “difusão em grupo organizado”, “posse e gravação” de imagens de pornografia infantil, “violações incestuosas cometidas sobre um menor por um ascendente” e “agressões sexuais incestuosas sobre um menor de 15 anos por um ascendente”, pormenorizou a Procuradoria de Bordéus.