Presidenciais: 246.800 eleitores pediram para votar já no domingo

Mais de 246 mil pessoas pediram o voto antecipado em mobilidade para as presidenciais de 24 de janeiro, quatro vezes mais do que para as legislativas de 2019, anunciou hoje o Ministério da Administração Interna (MAI). Até às 23:59 de quinta-feira, fim do prazo para a inscrição no voto antecipado, registaram-se 246.880 eleitores, de acordo com um mapa detalhado com os pedidos, por concelho, publicado pelo MAI. Nas últimas legislativas, em 2019, 50.638 eleitores votaram antecipadamente, tendo-se inscrito 56.287. Comparando com as legislativas de 2919, o número mais do que quadruplicou para estas presidenciais. Os portugueses que não puderem votar nas presidenciais em 24 de janeiro podiam pedir, até às 24:00 de quinta-feira, para exercer o seu direito de voto uma semana antes, numa mesa de voto à sua escolha. O voto antecipado em mobilidade foi alargado por lei aprovada no parlamento e pode ser feito na sede de cada um dos 308 concelhos do país, em vez da sede do distrito, como aconteceu nas eleições europeias e legislativas de 2019. No dia 17 de janeiro, o eleitor vota na mesa do local escolhido, de acordo com a alteração à lei, aprovada em outubro pela Assembleia da República. E se não votar nesse dia, pode fazê-lo no domingo seguinte.

Presidenciais: 246.800 eleitores pediram para votar já no domingo
Mais de 246 mil pessoas pediram o voto antecipado em mobilidade para as presidenciais de 24 de janeiro, quatro vezes mais do que para as legislativas de 2019, anunciou hoje o Ministério da Administração Interna (MAI). Até às 23:59 de quinta-feira, fim do prazo para a inscrição no voto antecipado, registaram-se 246.880 eleitores, de acordo com um mapa detalhado com os pedidos, por concelho, publicado pelo MAI. Nas últimas legislativas, em 2019, 50.638 eleitores votaram antecipadamente, tendo-se inscrito 56.287. Comparando com as legislativas de 2919, o número mais do que quadruplicou para estas presidenciais. Os portugueses que não puderem votar nas presidenciais em 24 de janeiro podiam pedir, até às 24:00 de quinta-feira, para exercer o seu direito de voto uma semana antes, numa mesa de voto à sua escolha. O voto antecipado em mobilidade foi alargado por lei aprovada no parlamento e pode ser feito na sede de cada um dos 308 concelhos do país, em vez da sede do distrito, como aconteceu nas eleições europeias e legislativas de 2019. No dia 17 de janeiro, o eleitor vota na mesa do local escolhido, de acordo com a alteração à lei, aprovada em outubro pela Assembleia da República. E se não votar nesse dia, pode fazê-lo no domingo seguinte.