Professor de Português deu aula sobre sexo oral e anal a alunos de 12 anos. Acabou expulso

Um professor temporário de Língua Portuguesa foi expulso da escola onde lecionava na capital brasileira, Brasília, após ter dado uma aula sobre sexo anal e oral a alunos do sexto ano, com idades compreendidas entre os 11 e os 12 anos. O professor,...

Professor de Português deu aula sobre sexo oral e anal a alunos de 12 anos. Acabou expulso
Um professor temporário de Língua Portuguesa foi expulso da escola onde lecionava na capital brasileira, Brasília, após ter dado uma aula sobre sexo anal e oral a alunos do sexto ano, com idades compreendidas entre os 11 e os 12 anos. O professor, Wendel Santana, de 25 anos, foi sumariamente expulso pela Secretaria de Educação de Brasília, alegando que, por ser temporário, não tinha tido a preparação adequada para a função, de acordo com o Correio da Manhã. A controversa aula teve lugar no Centro de Ensino Fundamental (CEF) 104, uma escola pública do ensino primário na região da Asa Norte, zona norte da capital brasileira. O docente, ao invés de dar uma aula de português, discorreu detalhadamente sobre sexo anal e oral perante as crianças da turma e depois pediu-lhes para fazerem uma redação sobre o assunto, para garantir que tinham percebido a explicação, refere a mesma fonte. Enquanto dissertava sobre essas duas formas de sexo, o professor foi escrevendo no quadro da sala de aula as expressões técnicas e as populares, inclusive as de baixo calão, pelas quais essas práticas sexuais são conhecidas. Vários alunos filmaram a aula, chegaram a casa e mostraram as imagens e os áudios aos pais, pediram detalhes sobre o que tinham aprendido naquele dia e as famílias ficaram preplexas. Depois de uma avalanche de protestos junto da direção do CEF 104, o docente foi suspenso e logo depois demitido. Mesmo assim, várias famílias apresentaram queixa à polícia, para que Wendel seja punido pelo sucedido. Em sua defesa, o docente, além de reforçar não ter sido preparado, alegou que as crianças chegavam perto dele com perguntas sobre o assunto, usando expressões excessivamente populares e informais, e que, por isso, decidiu dar a aula para lhes ensinar os nomes e as definições corretas. A Secretaria de Educação de Brasília afirmou que vai dar acompanhamento psicológico aos alunos que assistiram à estranha aula, para diminuir eventuais danos no seu desenvolvimento.