PS-M votará contra o Orçamento Regional e irá abster-se em relação ao PIDDAR

O Partido Socialista-Madeira irá votar contra a proposta de Orçamento Regional e irá abster-se na votação do Plano e Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Região Autónoma da Madeira (PIDDAR) para 2020. A posição que os...

PS-M votará contra o Orçamento Regional e irá abster-se em relação ao PIDDAR
O Partido Socialista-Madeira irá votar contra a proposta de Orçamento Regional e irá abster-se na votação do Plano e Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Região Autónoma da Madeira (PIDDAR) para 2020. A posição que os deputados socialistas madeirenses irão tomar aquando da discussão destes documentos foi tornada pública hoje pelo presidente do PS-M, após uma reunião da Comissão Política do partido. Emanuel Câmara começou por lançar críticas à situação que se vive na saúde e por referir-se às divergências que isso causou na coligação PSD-CDS, "levando a que um líder tenha dito estar agastado". Segundo afirmou o líder socialista, "quem está agastado com a situação da Saúde na Região" e com "a situação vivida nesta luta incessante para perpetuar ou conseguir este ou aquele lugar para as diferentes famílias políticas que sustentam o Governo são os madeirenses e porto-santenses". Referindo que a Saúde é aquilo que mexe mais com todos os madeirenses e porto-santenses, Emanuel Câmara lamentou que ainda estejam "à procura dos lugarzinhos, dos contentamentos e das satisfações, em vez de resolverem e atacarem de uma vez por todas os problemas que a Região sofre em termos de Saúde". "Desejo que este governo de direita, de uma vez por todas, resolva esses jogos de tachos e de 'jobs for the boys', para que comece finalmente a gerir e a governar a Região em todas as suas frentes", sublinhou. O presidente do PS-Madeira adiantou que os deputados socialistas irão, em sede própria, aquando da discussão na especialidade do Orçamento, apresentar as propostas que melhor defendem os madeirenses e os porto-santenses, sendo que caberá ao Governo acolhê-las ou não. Já no que se refere à abstenção no PIDDAR, Emanuel Câmara explicou que tem a ver, sobretudo, com o facto de a obra do novo Hospital vir a ser uma realidade. Tal como referiu, a obra da década só é possível porque temos na República um Governo do Partido Socialista que honra os seus compromissos.   Os dossiers que dizem respeito à Madeira no âmbito do Orçamento do Estado também foram abordados nesta reunião, tendo o líder dos socialistas madeirenses destacado que os três deputados no Parlamento nacional estão a fazer o seu trabalho. "Sabemos o que queremos para a Madeira e para os madeirenses e, apesar de termos um Governo da República da nossa cor política, não deixaremos de ser exigentes e de defendermos aquilo que achamos que é fundamental para o dia a dia dos madeirenses e porto-santenses", referiu. Emanuel Câmara não deixou também de colocar em evidência outras medidas postas em prática pelo Governo de António Costa, as quais são derramadas por todos os portugueses em geral, entre os quais os madeirenses, tais como o aumento de salários e das pensões.