PSD defende mais apoios e isenções para as empresas do Funchal

“Atendendo à retoma da atividade económica que, felizmente, se faz sentir na nossa Região, é importante que, a par das famílias, também os empresários vejam reforçadas as ajudas e sintam que estão a ser apoiados na recuperação dos seus negócios, pois isto significa mais rendimento para as nossas famílias e maior capacidade de manter o emprego”. A afirmação é da vereadora social-democrata eleita à Câmara Municipal do Funchal, Joana Silva, que, hoje, em mais uma reunião da autarquia, reiterou aquela que tem sido a preocupação do PSD desde o início da pandemia: “apresentar propostas que, verdadeiramente, ajudem os munícipes do Funchal a superar os efeitos socioeconómicos desta crise sanitária”, afirma. Neste enquadramento, a vereação do PSD apresentou, nesta quinta-feira, uma proposta para que a Câmara permita a suspensão do contrato de fornecimento de água e elimine os custos com a sua reativação, bem como de todas as taxas fixas aos empresários que assim o solicitarem. “Uma proposta que acaba por ser mais uma forma de desonerar as empresas com custos mensais que estão a ter quando não têm qualquer tipo de rendimento”, explica a vereadora, adiantando que este seria um apoio a ser dado a contar desde o inicio do Estado de Emergência até ao dia 31 de dezembro de 2020, a todos os empresários que apresentassem este pedido junto do Executivo Municipal. É essencial, reforça Joana Silva, “que tenhamos um Município mais sensível ao que realmente importa à população e, não, a interesses políticos que nada acrescentam ao concelho nesta altura”, lembrando que o PSD já apresentou inúmeras propostas que foram ou ignoradas ou desvirtuadas, no sentido da isenção das rendas sociais, da isenção do pagamento do consumo de água às famílias ou, mesmo, dentro do setor empresarial, da isenção das rendas dos espaços comerciais. “Isto para além de uma proposta há muito feita em que o PSD sugeria à Câmara que eliminasse o imposto municipal da derrama, o que seria uma grande ajuda às empresas”, acrescenta. “Não é tempo de propaganda nem de espetáculos pirotécnicos, é tempo de estarmos unidos e próximos dos nossos munícipes, de ouvirmos as suas preocupações e necessidades e de respondermos, em conformidade, com os meios que, neste Executivo, existem e sempre existiram, para esse efeito”, sublinha a Social-democrata, garantindo que o PSD continuará a defender, sempre e em primeiro lugar, os interesses da população, neste caso do Funchal, tanto nos bons momentos como nos momentos em que esta mais precisa.      

“Atendendo à retoma da atividade económica que, felizmente, se faz sentir na nossa Região, é importante que, a par das famílias, também os empresários vejam reforçadas as ajudas e sintam que estão a ser apoiados na recuperação dos seus negócios, pois isto significa mais rendimento para as nossas famílias e maior capacidade de manter o emprego”. A afirmação é da vereadora social-democrata eleita à Câmara Municipal do Funchal, Joana Silva, que, hoje, em mais uma reunião da autarquia, reiterou aquela que tem sido a preocupação do PSD desde o início da pandemia: “apresentar propostas que, verdadeiramente, ajudem os munícipes do Funchal a superar os efeitos socioeconómicos desta crise sanitária”, afirma. Neste enquadramento, a vereação do PSD apresentou, nesta quinta-feira, uma proposta para que a Câmara permita a suspensão do contrato de fornecimento de água e elimine os custos com a sua reativação, bem como de todas as taxas fixas aos empresários que assim o solicitarem. “Uma proposta que acaba por ser mais uma forma de desonerar as empresas com custos mensais que estão a ter quando não têm qualquer tipo de rendimento”, explica a vereadora, adiantando que este seria um apoio a ser dado a contar desde o inicio do Estado de Emergência até ao dia 31 de dezembro de 2020, a todos os empresários que apresentassem este pedido junto do Executivo Municipal. É essencial, reforça Joana Silva, “que tenhamos um Município mais sensível ao que realmente importa à população e, não, a interesses políticos que nada acrescentam ao concelho nesta altura”, lembrando que o PSD já apresentou inúmeras propostas que foram ou ignoradas ou desvirtuadas, no sentido da isenção das rendas sociais, da isenção do pagamento do consumo de água às famílias ou, mesmo, dentro do setor empresarial, da isenção das rendas dos espaços comerciais. “Isto para além de uma proposta há muito feita em que o PSD sugeria à Câmara que eliminasse o imposto municipal da derrama, o que seria uma grande ajuda às empresas”, acrescenta. “Não é tempo de propaganda nem de espetáculos pirotécnicos, é tempo de estarmos unidos e próximos dos nossos munícipes, de ouvirmos as suas preocupações e necessidades e de respondermos, em conformidade, com os meios que, neste Executivo, existem e sempre existiram, para esse efeito”, sublinha a Social-democrata, garantindo que o PSD continuará a defender, sempre e em primeiro lugar, os interesses da população, neste caso do Funchal, tanto nos bons momentos como nos momentos em que esta mais precisa.