PSD/M "exige" que PS explique voto contra a UMa

"É lamentável e inaceitável que os deputados socialistas eleitos pela Madeira à Assembleia da República continuem a votar contra matérias que são fundamentais para a nossa Região e, neste caso em particular, contra o necessário reforço do financiamento...

PSD/M "exige" que PS explique voto contra a UMa
"É lamentável e inaceitável que os deputados socialistas eleitos pela Madeira à Assembleia da República continuem a votar contra matérias que são fundamentais para a nossa Região e, neste caso em particular, contra o necessário reforço do financiamento da Universidade da Madeira, numa postura que é incompreensível, irresponsável e exige explicações". A declaração é da deputada Social-democrata Sara Madruga da Costa que, no segundo dia das votações na especialidade ao Orçamento de Estado para 2020, que decorrem na Assembleia da República, assistiu ao voto contra do PS e dos deputados socialistas madeirenses a esta proposta, algo que disse lamentar.  "Infelizmente e graças ao PS, mantém-se a situação crítica do financiamento desta importante instituição para a nossa Região e adiam-se os problemas que são urgentes e que podem colocar em causa a sua própria capacidade de resposta", sublinhou, reforçando que os socialistas "inviabilizaram uma solução que era imprescindível para fazer face aos problemas da Universidade da Madeira e que é defendida e vai de encontro, a 100%, das pretensões, inclusive manifestadas publicamente, quer por parte da reitoria da Universidade da Madeira quer da reitoria da Universidade dos Açores". Os deputados do PSD/Madeira exigem, assim, que o PS e em especial os deputados socialistas eleitos pela Região na Assembleia da República, expliquem porque motivo votaram contra esta solução consensual e contra esta proposta que viria a resolver o principal problema desta Universidade. "Porquê? Porque motivo votaram contra a Madeira? É esta a pergunta que, neste momento, todos os alunos, professores, funcionários e todos os madeirenses e porto-santenses fazem", rematou.