Raimundo Silva diz que Executivo Municipal do Porto Moniz “vive alheado da realidade"

Juntas de Freguesia discriminadas e sem reforço de verbas para fazer face às necessidades, ausência de investimento público e uma total incapacidade de cativar e atrair investimento privado, gerador de emprego e, consequentemente, capaz de fixar a população mais jovem no concelho são, infelizmente, algumas das grandes marcas de um Executivo Municipal “que vive alheado da realidade e dos problemas que realmente afetam a população e que, sem qualquer visão de futuro, limita-se a promover a subsidiodependência e a menosprezar o enorme potencial de crescimento e desenvolvimento que o Porto Moniz apresenta”. Acusações proferidas pelo vereador eleito ao Município pela coligação PSD/CDS “Mais para o Porto Moniz”, Raimundo Silva, que surgem na sequência de contactos estabelecidos com a população, mas, também, com comerciantes e entidades locais. “As queixas surgem a vários níveis” sublinha, aludindo, entre outros exemplos, à falta de investimento municipal na rede de águas e saneamento básico, ao estado de degradação da rede viária municipal – com situações urgentes como é o caso do Caminho do Cascalho, na freguesia da Ribeira da Janela – às perdas de água na rede em todo o concelho – com particular incidência nas freguesias do Seixal e Porto Moniz e, também, à falta de manutenção e cuidado de algumas infraestruturas, como é o caso do Campo Municipal. Isto para além dos prémios e reconhecimentos “que são dados a empresários e associações com sede fora do concelho em detrimento dos locais e dos projetos que, anunciados com pompa e circunstância, teimam, há oito anos e oito meses, em não sair do papel”, reforça. “Infelizmente e pese embora a propaganda constante, a verdade é que este Executivo Municipal mais não faz do que colar-se à promoção do concelho que em muito se deve – senão quase na sua totalidade – aos empreendedores e empresários locais, assim como em refugiar-se nos eventos, apoios e subsídios que, embora sendo importantes para quem deles necessita, em nada resolvem os problemas, descurando completamente a manutenção e a infraestruturação do município para as gerações  vindouras” afirma Raimundo Silva, criticando, igualmente, a incapacidade do Presidente da autarquia “colocar, em primeiro lugar, os interesses do Porto Moniz e, não, os seus interesses político-partidários, negando qualquer espécie de pontes de entendimento, inclusive com a oposição, mesmo que as mesmas representem o melhor para o concelho”. Uma realidade que, frisa, “obriga a mudanças estruturais urgentes, sob pena de comprometermos, ainda mais, o interesse superior da nossa população”, interesse superior pelo qual estamos a trabalhar, “na certeza de que não é com esta falta de capacidade, de visão e de estratégia, assumidas pelo PS, que o Porto Moniz terá o futuro que merece”.

Raimundo Silva diz que Executivo Municipal do Porto Moniz “vive alheado da realidade"
Juntas de Freguesia discriminadas e sem reforço de verbas para fazer face às necessidades, ausência de investimento público e uma total incapacidade de cativar e atrair investimento privado, gerador de emprego e, consequentemente, capaz de fixar a população mais jovem no concelho são, infelizmente, algumas das grandes marcas de um Executivo Municipal “que vive alheado da realidade e dos problemas que realmente afetam a população e que, sem qualquer visão de futuro, limita-se a promover a subsidiodependência e a menosprezar o enorme potencial de crescimento e desenvolvimento que o Porto Moniz apresenta”. Acusações proferidas pelo vereador eleito ao Município pela coligação PSD/CDS “Mais para o Porto Moniz”, Raimundo Silva, que surgem na sequência de contactos estabelecidos com a população, mas, também, com comerciantes e entidades locais. “As queixas surgem a vários níveis” sublinha, aludindo, entre outros exemplos, à falta de investimento municipal na rede de águas e saneamento básico, ao estado de degradação da rede viária municipal – com situações urgentes como é o caso do Caminho do Cascalho, na freguesia da Ribeira da Janela – às perdas de água na rede em todo o concelho – com particular incidência nas freguesias do Seixal e Porto Moniz e, também, à falta de manutenção e cuidado de algumas infraestruturas, como é o caso do Campo Municipal. Isto para além dos prémios e reconhecimentos “que são dados a empresários e associações com sede fora do concelho em detrimento dos locais e dos projetos que, anunciados com pompa e circunstância, teimam, há oito anos e oito meses, em não sair do papel”, reforça. “Infelizmente e pese embora a propaganda constante, a verdade é que este Executivo Municipal mais não faz do que colar-se à promoção do concelho que em muito se deve – senão quase na sua totalidade – aos empreendedores e empresários locais, assim como em refugiar-se nos eventos, apoios e subsídios que, embora sendo importantes para quem deles necessita, em nada resolvem os problemas, descurando completamente a manutenção e a infraestruturação do município para as gerações  vindouras” afirma Raimundo Silva, criticando, igualmente, a incapacidade do Presidente da autarquia “colocar, em primeiro lugar, os interesses do Porto Moniz e, não, os seus interesses político-partidários, negando qualquer espécie de pontes de entendimento, inclusive com a oposição, mesmo que as mesmas representem o melhor para o concelho”. Uma realidade que, frisa, “obriga a mudanças estruturais urgentes, sob pena de comprometermos, ainda mais, o interesse superior da nossa população”, interesse superior pelo qual estamos a trabalhar, “na certeza de que não é com esta falta de capacidade, de visão e de estratégia, assumidas pelo PS, que o Porto Moniz terá o futuro que merece”.