Realizador Sam Mendes inspirou-se no avô madeirense para o filme “1917”

O filme “1917”, vencedor de dois Globos de Ouro e nomeado para 10 categorias dos Oscar, retrata Alfred Mendes, o avô madeirense do realizador Sam Mendes. "Havia uma história que era um fragmento do relato do meu avô, que lutou na Primeira Guerra....

Realizador Sam Mendes inspirou-se no avô madeirense para o filme “1917”
O filme “1917”, vencedor de dois Globos de Ouro e nomeado para 10 categorias dos Oscar, retrata Alfred Mendes, o avô madeirense do realizador Sam Mendes. "Havia uma história que era um fragmento do relato do meu avô, que lutou na Primeira Guerra. Era a história de um mensageiro que tinha um recado para levar. E isso era tudo que podia contar", referiu Sam Mendes a respeito do seu novo filme. "Essa história, ou esse fragmento, permaneceu comigo e obviamente eu a ampliei e fiz mudanças enormes, mas a essência é a mesma", explicou, a respeito. Também em entrevista à Rádio Renascença, a partir de Trinidad e Tobago, Jo-Anne Ferreira, explicou que Alfred Mendes “foi um dos grandes escritores do período dos anos 30 e 40. Escreveu dois romances, vários contos e mais de 60 poemas”. A professora de linguística na Universidade das Índias Ocidentais que estudou a obra deste autor diz que Alfy (como era também conhecido) já “foi reconhecido pela Universidade das Índias Ocidentais pela sua contribuição” Bisneta de madeirenses, Jo-Anne Ferreira falou também da produção literária do avô do realizador Sam Mendes. “Ele foi o primeiro a escrever sobre a comunidade portuguesa de origem madeirense aqui. No romance falou sobre as tensões entre a comunidade madeirense católica e a comunidade madeirense presbiteriana, porque a mãe dele era católica e o pai era presbiteriano. Os presbiterianos vieram para aqui por causa das tensões socio-religiosas no século XIX na Madeira” conta em português esta académica que promove uma página nas redes sociais que congrega a comunidade de origem lusa.