"Rentrée" do PS na Madeira servirá "para dar um sinal de força", diz Ana Catarina Mendes

A cidade de Machico, na Madeira, vai ser o palco da ‘rentrée’ política do Partido Socialista, com uma festa-comício com os olhos postos nas eleições regionais daquele arquipélago, mas também nas eleições legislativas de 06 de outubro. No início...

"Rentrée" do PS na Madeira servirá "para dar um sinal de força", diz Ana Catarina Mendes
A cidade de Machico, na Madeira, vai ser o palco da ‘rentrée’ política do Partido Socialista, com uma festa-comício com os olhos postos nas eleições regionais daquele arquipélago, mas também nas eleições legislativas de 06 de outubro. No início deste mês, a secretária-geral adjunta socialista, Ana Catarina Mendes, confirmou a realização de uma festa-comício naquela região autónoma. A iniciativa, marcada para sábado, decorrerá junto ao forte, e contará com animação musical e como “ponto alto” intervenções, que estão previstas para as 15:00. Além do secretário-geral socialista, António Costa, também vão usar da palavra o presidente do PS-Madeira, Emanuel Câmara, também presidente da Câmara Municipal de Machico, e o cabeça de lista regional, Paulo Cafôfo, ex-líder da autarquia do Funchal. “É um momento político de recomeço do trabalho, tendo em conta os dois próximos momentos eleitorais - as regionais de 22 de setembro e as legislativas de 06 de outubro. Vai ser na Madeira para dar um sinal de força, pois há a possibilidade de o PS, pela primeira vez, poder vir a ganhar aquelas eleições. Mas também vai servir como ‘pontapé de saída’ para as legislativas, de forma a que os portugueses voltem a confiar em António Costa e no PS”, afirmou Ana Catarina Mendes à Lusa no início do mês. Paulo Cafôfo concorre às eleições legislativas de 22 de setembro como independente apoiado pelo PS. Em 2013, tornou-se presidente da principal câmara madeirense pela coligação Mudança (PS/BE/PTP/PAN/PND/MPT), e foi reeleito em 2017 pela coligação Confiança, conquistando a maioria absoluta. Até então, o município tinha sido liderado pelo PSD, partido que governa a Madeira desde 1976. Em maio, num comício no âmbito das europeias, António Costa admitiu ter “uma obsessão” pelas regiões autónomas, considerando que o voto nas eleições para o Parlamento Europeu seria “um três em um” para a mudança política na Madeira, em setembro. ”Eu tenho mesmo uma obsessão pela Madeira, porque o Porto Santo e a Madeira não são menos que os portugueses do continente”, disse António Costa num comício no Funchal, no âmbito da campanha para aquelas eleições, nas quais o PS foi o partido mais votado. Na altura, Costa apelou também ao voto “para dar força à mudança” começada “na República há três anos e meio” e que admitiu querer continuar na Região Autónoma da Madeira “com a grande vitória de Paulo Cafôfo”, o candidato a presidente do Governo Regional. O secretário-geral do PS sublinhou ainda que a mudança já tinha sido conseguida no Governo da República, nos Açores e em quatro municípios da Madeira (Funchal, Machico, Porto Moniz e Ponta do Sol), reforçando: “Vamos provar ser possível quando no dia 22 setembro, os madeirenses e porto-santenses escolherem Paulo Cafôfo para ser próximo presidente da Madeira”.