Ribeira Brava está mais dinâmica e desenvolvida

Mais que as grandes obras, o presidente da Autarquia destaca a importância dos investimentos de proximidade. Ricardo Nascimento O presidente da Câmara Municipal da Ribeira Brava afirmou ontem que o concelho apresenta-se mais dinâmico, mais desenvolvido e mais amigo dos ribeira-bravenses. Aliás, tem sido esta a missão de Ricardo Nascimento, o qual quer a Ribeira Brava numa terra de futuro e de visão. Num balanço aos três anos e meio de mandato durante as Jornadas Madeira 201, que decorreram nas antigas instalações do restaurante do quartel dos Bombeiros, o autarca, que fez uma intervenção através de vídeo-conferência, elencou, área por área, os trabalhos realizados. Assim, no que toca ao social, uma das primeiras preocupações, disse que foram criados novos apoios e reforçados alguns já existentes. Por outro lado, foram colocadas verbas junto das instituições particulares de solidariedade social, que chegam mais diretamente à população mais carenciada. Nos últimos dois anos, a Autarquia atribuiu 140 mil euros. Outra instituição apontada como de extrema importância foi o quartel dos Bombeiros Voluntários da Ribeira Brava. Foi na gestão de Ricardo Nascimento, “que os bombeiros deixaram de ver a incerteza nos seus salários, no fim do mês” com a atribuição de 180 mil euros. As juntas de freguesia recebem, anualmente, um total de cem mil euros, superior a 30 por cento do que recebem do Fundo de Equilíbrio Financeiro, do Governo da República. Noutras valências, a Autarquia introduziu novos apoios, como foi o caso da recuperação de habitações degradadas (que já beneficiou 30 famílias carenciadas), do apoio ao idoso (com despesas com saúde), a criação da Universidade Sénior e de um espaço de lazer no Lar Intergeracional de São João. O autarca referiu-se ainda a um apoio ao doente oncológico, que não estava no compromisso feito em 2017. Foram também criados novos apoios para estancar as ‘feridas’ causadas pela pandemia. Assim, foram apoiadas mais de 30 pessoas ao nível do emprego, através do Programa de Apoio e Incentivo ao Emprego. Foram reduzidas as rendas no mercado e de espaços comerciais sob a tutela do Município, foram suspensos os pagamentos de estacionamento. As esplanadas, por seu lado, continuam isentas de pagamento de taxas. Após avaliações periódicas, a Câmara Municipal da Ribeira Brava entendeu que devia ir mais além. Assim, aprovou um regulamento de apoio à recuperação económica de apoio aos pequenos comerciantes e trabalhadores em nome individual. A Autarquia aguarda a aprovação do Tribunal de Contas para contrair um empréstimo para esse fim. Ricardo Nascimento considera que o melhor apoio que se pode dar é ajudar projetos para o concelho, por forma a serem criados novos postos de trabalho. Destacando o papel da Madeira Parques, Ricardo Nascimento sublinhou que tudo tem sido feito no sentido de evitar que haja desistências de investimento no concelho por causa de excesso de burocracias. Sobre a ‘causa animal’, o autarca garantiu que a mesma não foi desprezada e que há campanhas veterinárias nas quatro freguesias, investimento esse que ultrapassa os 10 mil euros anuais. “Somos um concelho com obra feita, mas mais que os grandes investimentos, importantes e necessários, destaco as obras de proximidade”, sublinhou o presidente da Câmara Municipal da Ribeira Brava. Garantido que o investimento tem sido feito desde o primeiro dia da tomada de posse, Ricardo Nascimento apontou obras feitas em veredas, o início do arruamento no Pico Ferreiro, na Tabua, o ginásio ao ar livre, a melhoria da acessibilidade da Levada do Barqueiro, a melhoria no Caminho da Ameixieira (na Serra de Água), entre outros trabalhos. Admitiu que faltou o caminho da Rocha Alta, por falta de fundos ao nível do PRODERAM. No Campanário, destacou vários caminhos, assim como na freguesia da Ribeira Brava, onde apontou também a obra emblemática da promenade. Isto quer dizer, sublinhou, 12 milhões, sendo 7 milhões da responsabilidade da Autarquia.

Ribeira Brava está mais dinâmica e desenvolvida
Mais que as grandes obras, o presidente da Autarquia destaca a importância dos investimentos de proximidade. Ricardo Nascimento O presidente da Câmara Municipal da Ribeira Brava afirmou ontem que o concelho apresenta-se mais dinâmico, mais desenvolvido e mais amigo dos ribeira-bravenses. Aliás, tem sido esta a missão de Ricardo Nascimento, o qual quer a Ribeira Brava numa terra de futuro e de visão. Num balanço aos três anos e meio de mandato durante as Jornadas Madeira 201, que decorreram nas antigas instalações do restaurante do quartel dos Bombeiros, o autarca, que fez uma intervenção através de vídeo-conferência, elencou, área por área, os trabalhos realizados. Assim, no que toca ao social, uma das primeiras preocupações, disse que foram criados novos apoios e reforçados alguns já existentes. Por outro lado, foram colocadas verbas junto das instituições particulares de solidariedade social, que chegam mais diretamente à população mais carenciada. Nos últimos dois anos, a Autarquia atribuiu 140 mil euros. Outra instituição apontada como de extrema importância foi o quartel dos Bombeiros Voluntários da Ribeira Brava. Foi na gestão de Ricardo Nascimento, “que os bombeiros deixaram de ver a incerteza nos seus salários, no fim do mês” com a atribuição de 180 mil euros. As juntas de freguesia recebem, anualmente, um total de cem mil euros, superior a 30 por cento do que recebem do Fundo de Equilíbrio Financeiro, do Governo da República. Noutras valências, a Autarquia introduziu novos apoios, como foi o caso da recuperação de habitações degradadas (que já beneficiou 30 famílias carenciadas), do apoio ao idoso (com despesas com saúde), a criação da Universidade Sénior e de um espaço de lazer no Lar Intergeracional de São João. O autarca referiu-se ainda a um apoio ao doente oncológico, que não estava no compromisso feito em 2017. Foram também criados novos apoios para estancar as ‘feridas’ causadas pela pandemia. Assim, foram apoiadas mais de 30 pessoas ao nível do emprego, através do Programa de Apoio e Incentivo ao Emprego. Foram reduzidas as rendas no mercado e de espaços comerciais sob a tutela do Município, foram suspensos os pagamentos de estacionamento. As esplanadas, por seu lado, continuam isentas de pagamento de taxas. Após avaliações periódicas, a Câmara Municipal da Ribeira Brava entendeu que devia ir mais além. Assim, aprovou um regulamento de apoio à recuperação económica de apoio aos pequenos comerciantes e trabalhadores em nome individual. A Autarquia aguarda a aprovação do Tribunal de Contas para contrair um empréstimo para esse fim. Ricardo Nascimento considera que o melhor apoio que se pode dar é ajudar projetos para o concelho, por forma a serem criados novos postos de trabalho. Destacando o papel da Madeira Parques, Ricardo Nascimento sublinhou que tudo tem sido feito no sentido de evitar que haja desistências de investimento no concelho por causa de excesso de burocracias. Sobre a ‘causa animal’, o autarca garantiu que a mesma não foi desprezada e que há campanhas veterinárias nas quatro freguesias, investimento esse que ultrapassa os 10 mil euros anuais. “Somos um concelho com obra feita, mas mais que os grandes investimentos, importantes e necessários, destaco as obras de proximidade”, sublinhou o presidente da Câmara Municipal da Ribeira Brava. Garantido que o investimento tem sido feito desde o primeiro dia da tomada de posse, Ricardo Nascimento apontou obras feitas em veredas, o início do arruamento no Pico Ferreiro, na Tabua, o ginásio ao ar livre, a melhoria da acessibilidade da Levada do Barqueiro, a melhoria no Caminho da Ameixieira (na Serra de Água), entre outros trabalhos. Admitiu que faltou o caminho da Rocha Alta, por falta de fundos ao nível do PRODERAM. No Campanário, destacou vários caminhos, assim como na freguesia da Ribeira Brava, onde apontou também a obra emblemática da promenade. Isto quer dizer, sublinhou, 12 milhões, sendo 7 milhões da responsabilidade da Autarquia.