Ricardo Nascimento elogia criação de ‘Epidendrum Ribeira Brava Flamedrop’

Foi ontem apresentada ao presidente da autarquia, no Edifício dos Paços do Concelho da Ribeira Brava, a orquídea híbrida 'Epidendrum Ribeira Brava Flamedrop', um projeto pensado e organizado por Pedro Spínola “que pretende contribuir para o...

Ricardo Nascimento elogia criação de ‘Epidendrum Ribeira Brava Flamedrop’
Foi ontem apresentada ao presidente da autarquia, no Edifício dos Paços do Concelho da Ribeira Brava, a orquídea híbrida 'Epidendrum Ribeira Brava Flamedrop', um projeto pensado e organizado por Pedro Spínola “que pretende contribuir para o então relevante peso da ilha da Madeira no panorama botânico, trazendo-o para os dias de hoje, colocando a Região no mapa internacional da orquidofilia e jardinagem”, expliccou o criador da planta híbrida. Este processo irá homenagear vários concelhos, atribuindo, às novas plantas criadas, nomes sugestivos dos diferentes municípios. “É um processo moroso e complicado, dadas as especificidades deste tipo de plantas, mas que se inicia com esta planta, e que é a primeira orquídea registada em honra do concelho da Ribeira Brava, cultivada no seu seio, e que recebeu o nome de Epidendrum Ribeira Brava Flamedrop”, esclareceu Pedro Spínola. O presidente da autarquia da Ribeira Brava elogiou o projeto e considerou ser “uma honra para o município ser o primeiro concelho a ser homenageado com esta nova planta”, ‘Epidendrum Ribeira Brava Flamedrop’. Esta orquídea híbrida foi cultivada em território ribeirabravense, mais precisamente no sítio da Cova, por César Gonçalves. Segundo Pedro Spínola, o nome da planta prende-se também “pelo facto de as flores parecerem gotas de fogo quando estão por abrir”. A planta floriu este ano pela primeira vez em finais de maio, tendo sido registada a 29 de junho de 2019 no “The Royal Horticultural Society”.