SEF reforça Aeroporto da Madeira com dez novos postos de controlo

A secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, disse à Lusa que está previsto “para finais de setembro, princípios de outubro a colocação de mais três e-gates (pórticos eletrónicos para leitura dos dados biométricos...

SEF reforça Aeroporto da Madeira com dez novos postos de controlo
A secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, disse à Lusa que está previsto “para finais de setembro, princípios de outubro a colocação de mais três e-gates (pórticos eletrónicos para leitura dos dados biométricos do passaporte) e dois postos manuais na nova área de chegada” do Aeroporto de Lisboa. Para o Funchal, está prevista a colocação de dez novos postos de controlo. “No aeroporto de Lisboa vai haver uma nova área de controlo de chegadas na qual serão colocados mais cinco postos do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras” (SEF), disse Isabel Oneto. No início do mês a ANA - Aeroportos de Portugal explicou que estava prevista uma “zona específica para a chegada de voos de origens seguras, cujos controlos são mais céleres. No total, o SEF vai adquirir 49 novos pórticos eletrónicos de nova geração “com um sistema operativo mais rápido e mais funcionais para poder processar mais rapidamente a leitura dos passaportes com dados biométricos”, acrescentou a secretária de estado. Depois do reforço do aeroporto internacional de Lisboa será a vez de serem colocados mais 16 postos no aeroporto de Faro e 10 no Funchal, seguindo-se o Porto. Isabel Oneto congratulou-se também com a diminuição dos tempos de espera dos passageiros para passarem no controlo do aeroporto, dizendo que isso se deveu a um reforço de meios humanos do SEF. “Foram os melhores tempos de espera desde que há registo. Em Julho o tempo médio de espera por parte dos passageiros foi inferior a 10 minutos quer nas entradas quer na saídas”, sublinhou. Nos primeiros seis meses do ano, o SEF já controlou mais de oito milhões de passageiros, o que representa um aumento de 10,9 por cento em relação ao período homologo de 2018.