Sem-abrigo devem ter morada e cartão de cidadão, defende Sara Madruga da Costa

A deputada Sara Madruga da Costa defendeu, numa intervenção plenária na Assembleia da República, "o direito dos sem-abrigo a uma morada e ao cartão de cidadão, como forma de colmatar uma "exclusão inadmissível à cidadania e às prestações sociais...

Sem-abrigo devem ter morada e cartão de cidadão, defende Sara Madruga da Costa
A deputada Sara Madruga da Costa defendeu, numa intervenção plenária na Assembleia da República, "o direito dos sem-abrigo a uma morada e ao cartão de cidadão, como forma de colmatar uma "exclusão inadmissível à cidadania e às prestações sociais que ainda subsiste no nosso país ". De acordo com Sara Madruga da Costa, "é urgente que o Governo da República encontre uma solução para resolver rapidamente este problema que deriva da legislação do cartão do cidadão porque "não faz sentido continuar a exigir a indicação de um domicílio fixo a quem não o tem. É ao Governo que gere e administra o cartão de cidadão que incumbe encontrar uma solução urgente ", referiu. "Para além de uma violação básica de Direitos Humanos e de uma limitação inadmissível do direito à cidadania, a falta de morada e a ausência de um documento de identificação constituem para a Deputada social-democrata "um verdadeiro drama que urge resolver". Sara Madruga da Costa considerou o problema dos sem-abrigo como "um problema central e chocante na nossa sociedade." "O silêncio da indiferença, a demora do Estado a encontrar soluções, a falta de alojamento, de cuidados de saúde, a falta de verbas, a burocracia e os obstáculos administrativos são realidades bem conhecidas dos sem-abrigo e das inúmeras instituições que estão diariamente no terreno a combater este enorme flagelo social" frisou. A deputada social-democrata lembrou ainda que "há pelo menos três anos que este problema tem vindo a ser repetidamente denunciado pelo Presidente da República" e que apesar dos diversos alertas " a estratégia nacional de combate aos sem-abrigo não está a funcionar e o ano de 2019 foi dramático e" parado" com inúmeras falhas do Governo da República ao nível da saúde, do alojamento, da informação, da articulação e ao nível da alocação de verbas". "E se hoje discutimos o direito dos sem-abrigo a uma morada e ao cartão de cidadão é porque ainda não fomos capazes de resolver o problema de quem vive na rua e de encontrar respostas públicas eficazes e duradouras para erradicar este problema" referiu. "Se nada for feito, os sem-abrigo continuarão a ser excluídos e a ficar impedidos de ter direito a uma identificação e a aceder a um conjunto de prestações sociais", concluiu.