"Será que é desta que o primeiro-ministro se digna a conhecer o Porto Santo?"

O Mais Porto Santo questiona o primeiro-ministro António Costa se se vai "dignar a visitar o Porto Santo, no âmbito da campanha política que está a realizar na Madeira." "Neste momento de falsas promessas é fundamental recordar aos porto-santenses...

"Será que é desta que o primeiro-ministro se digna a conhecer o Porto Santo?"
O Mais Porto Santo questiona o primeiro-ministro António Costa se se vai "dignar a visitar o Porto Santo, no âmbito da campanha política que está a realizar na Madeira." "Neste momento de falsas promessas é fundamental recordar aos porto-santenses e também madeirenses que o Primeiro-Ministro nunca se deu ao luxo de visitar o Porto Santo, uma parte importante de Portugal. Isto diz bem da política centralista e colonialista de António Costa", lamenta José António Castro, líder do movimento de cidadãos independentes, que reivindica uma outra atitude e comportamento político em relação à Ilha. "Como todos sabem, a área marítima sob jurisdição nacional é 18 vezes maior do que território terreste e corresponde a mais de metade do conjunto de toda a área das zonas económicas exclusivas dos Estados membros da União Europeia. Por causa das Ilhas, dos dois arquipélagos, dos seus corajosos, audazes e persistentes habitantes, que o Governo da República, liderado por António Costa, continua a desprezar, através de lamentáveis e maus exercícios de governação", acusa o Vereador, para quem o Porto Santo não pode continuar a ser visto como uma mera colónia portuguesa. "O irresponsável sentido de Estado que nem considera o princípio da continuidade territorial, ao contrário daquilo que fazem os nossos vizinhos espanhóis, que valorizam, incentivam e apoiam as ilhas e as autonomias, é um perfeito exemplo da prepotência e arrogância do Partido Socialista, infelizmente com o conluio dos socialistas madeirenses, sempre em silêncio em relação às questões de fundo do Porto Santo e porto-santenses", lamenta José António Castro, observando que na campanha eleitoral que está em marcha os socialistas insistem em não se comprometer com nada. "Damos como bom exemplo o facto do Governo da República continuar a transferir anualmente do Orçamento de Estado somente cerca de 1,7 milhões de euros para os cofres da Câmara Municipal do Porto Santo, enquanto, por exemplo, ao Porto Moniz, que era governado pelo presidente do Partido Socialista da Madeira, oferece 4 milhões de euros, município que tem quase metade da nossa população. Estas claras injustiças têm de ser revistas", exige o Vereador do movimento de cidadãos independentes. Por tudo isto, José António Castro insiste na ideia que a mão cheia de nada da mudança apregoada pelo Partido Socialista não serve os interesses do Porto Santo e dos porto-santenses nas eleições legislativas regionais de 22 de Setembro. "Se não é este o propósito dos socialistas, de certeza que ficará provado por estes dias com uma visita, mesmo que de relâmpago, do Primeiro-Ministro ao Porto Santo, não só para conhecer uma parte de Portugal, como também para se familiarizar e escutar os porto-santenses", finaliza.