Sétimo maior fornecedor de energia no Reino Unido declara-se insolvente

A sétima maior empresa fornecedora de energia no Reino Unido, Bulb, com 1,7 milhões de clientes, declarou-se hoje insolvente devido à subida dos preços do gás, iniciando um processo que deverá implicar a intervenção estatal. Num comunicado, a empresa informou que pediu para ser colocada em “administração extraordinária”, mas garantiu aos clientes que o serviço vai continuar e as tarifas permanecerão inalteradas. "A administração extraordinária é projetada para proteger os clientes de um grande fornecedor de energia que se tornou insolvente”, explicou, adiantando que “o processo de nomeação de administradores especiais ainda não foi concluído, mas esperamos que sejam nomeados em breve”. O regulador, Ofgem, confirmou que a Bulb vai “continuar a operar normalmente” e que os clientes “não vão sentir perturbação ao serviço e as suas contas e tarifas vão continuar”.  A confirmar-se, a Bulb será a primeira empresa a beneficiar do regime de administração extraordinária, durante o qual o Governo providencia financiamento para a empresa continuar a operar até que seja resgatada, vendida ou os clientes sejam transferidos para outros fornecedores.  Até agora, os cerca de 20 fornecedores de energia que faliram este ano devido à crise eram pequenos o suficiente para os clientes serem absolvidos por um rival de maior dimensão.  A Avro Energy, com cerca de 580.000 clientes, foi a maior fornecedora de energia britânica que faliu até agora. O aumento nos preços do gás nos últimos meses resulta de uma série de fatores, incluindo a falta de aprovisionamento no Reino Unido, o aumento da procura internacional devido à recuperação económica pós-pandemia e uma redução no fornecimento da Rússia. "Os preços no mercado grossista dispararam e continuam extremamente voláteis”, explicou no comunicado a Bulb, que foi fundada em 2005 e se expandiu para França, Espanha e Texas, nos Estados Unidos.  Recentemente, notícias da suspensão do processo de aprovação do gasoduto Nord Stream 2 entre a Rússia e Alemanha fizeram os preços subir ainda mais, aumentando a pressão sobre as empresas do setor.  Atualmente, existe um limite do preço ['price cap'] da energia imposto pelo Governo britânico para evitar tarifas abusivas, o qual continua abaixo do preço de custo para os fornecedores de energia, apesar de ter aumentado 12% em 01 de outubro. O regulador Ofgem abriu na sexta-feira uma consulta pública e pediu "propostas para garantir que o limite de preço reflete os custos, riscos e incertezas enfrentados pelos fornecedores de energia".

Sétimo maior fornecedor de energia no Reino Unido declara-se insolvente
A sétima maior empresa fornecedora de energia no Reino Unido, Bulb, com 1,7 milhões de clientes, declarou-se hoje insolvente devido à subida dos preços do gás, iniciando um processo que deverá implicar a intervenção estatal. Num comunicado, a empresa informou que pediu para ser colocada em “administração extraordinária”, mas garantiu aos clientes que o serviço vai continuar e as tarifas permanecerão inalteradas. "A administração extraordinária é projetada para proteger os clientes de um grande fornecedor de energia que se tornou insolvente”, explicou, adiantando que “o processo de nomeação de administradores especiais ainda não foi concluído, mas esperamos que sejam nomeados em breve”. O regulador, Ofgem, confirmou que a Bulb vai “continuar a operar normalmente” e que os clientes “não vão sentir perturbação ao serviço e as suas contas e tarifas vão continuar”.  A confirmar-se, a Bulb será a primeira empresa a beneficiar do regime de administração extraordinária, durante o qual o Governo providencia financiamento para a empresa continuar a operar até que seja resgatada, vendida ou os clientes sejam transferidos para outros fornecedores.  Até agora, os cerca de 20 fornecedores de energia que faliram este ano devido à crise eram pequenos o suficiente para os clientes serem absolvidos por um rival de maior dimensão.  A Avro Energy, com cerca de 580.000 clientes, foi a maior fornecedora de energia britânica que faliu até agora. O aumento nos preços do gás nos últimos meses resulta de uma série de fatores, incluindo a falta de aprovisionamento no Reino Unido, o aumento da procura internacional devido à recuperação económica pós-pandemia e uma redução no fornecimento da Rússia. "Os preços no mercado grossista dispararam e continuam extremamente voláteis”, explicou no comunicado a Bulb, que foi fundada em 2005 e se expandiu para França, Espanha e Texas, nos Estados Unidos.  Recentemente, notícias da suspensão do processo de aprovação do gasoduto Nord Stream 2 entre a Rússia e Alemanha fizeram os preços subir ainda mais, aumentando a pressão sobre as empresas do setor.  Atualmente, existe um limite do preço ['price cap'] da energia imposto pelo Governo britânico para evitar tarifas abusivas, o qual continua abaixo do preço de custo para os fornecedores de energia, apesar de ter aumentado 12% em 01 de outubro. O regulador Ofgem abriu na sexta-feira uma consulta pública e pediu "propostas para garantir que o limite de preço reflete os custos, riscos e incertezas enfrentados pelos fornecedores de energia".