Sindicato acusa ARM de substituir trabalhadores em greve e chama inspeção à Meia Serra

No segundo dia da greve dos trabalhadores da Águas e Resíduos da Madeira (ARM), os dados registados esta terça-feira mantêm-se, indicou Maria José Afonseca, em representação do Sindicato das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades...

Sindicato acusa ARM de substituir trabalhadores em greve e chama inspeção à Meia Serra
No segundo dia da greve dos trabalhadores da Águas e Resíduos da Madeira (ARM), os dados registados esta terça-feira mantêm-se, indicou Maria José Afonseca, em representação do Sindicato das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente (SITE). “Os trabalhadores que pararam ontem, pararam hoje e mantêm-se firmes na sua luta”, disse, em declarações ao JM, sendo que esta paralisação afeta algumas instalações de tratamento de lixo.  A única diferença, acrescenta, é que esta quarta-feira foi necessário pedir intervenção da Inspeção do Trabalho na estação da Meia Serra, dado que “a empresa tentou substituir alguns trabalhadores em greve por outros trabalhadores, de outros setores, que não estão habilitados para fazer os serviços dos trabalhadores em greve”, algo que se trata de uma situação ilegal, que “pode trazer prejuízo tanto para a empresa como para os trabalhadores”, acrescenta. Segundo a mesma fonte, a Inspeção do Trabalho estará, neste momento, a intervir no local. A greve dos trabalhadores da ARM, que afeta sobretudo a área de recolha e tratamento de lixo, com duas instalações paradas (Meia Serra e Porto Novo), termina às 24 horas desta quarta-feira, estando já marcada uma reunião entre o sindicato e a empresa para o dia 3 de setembro, estando ainda agendada uma outra greve para 4 e 5 de setembro.  Recorde-se que a greve se realiza, ontem e hoje, “pela contagem da antiguidade para enquadramento na tabela salarial; pelo correto enquadramento nas categorias profissionais; pelo fim das discriminações existentes na empresa; por melhores condições de segurança e saúde no trabalho; pela contratação de mais trabalhadores”.