Síria: Pelo menos 19 mortos em ataques russos contra mercado na região noroeste

Pelo menos 19 pessoas, incluindo 16 civis, morreram hoje em ataques russos contra um mercado na província de Idlib, uma região dominada por 'jihadistas' no noroeste da Síria, anunciou hoje o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). Os...

Síria: Pelo menos 19 mortos em ataques russos contra mercado na região noroeste
Pelo menos 19 pessoas, incluindo 16 civis, morreram hoje em ataques russos contra um mercado na província de Idlib, uma região dominada por 'jihadistas' no noroeste da Síria, anunciou hoje o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). Os ataques realizados pela aviação de Moscovo, aliada do Governo do Presidente sírio, Bashar al-Assad, visaram "um mercado de distribuidores de legumes na cidade de Maaret al-Noomane", explicou Rami Abdel Rahmane, diretor do OSDH, à agência de notícias France-Presse. Rami Abdel Rahmane indicou ainda que "19 pessoas foram mortas, incluindo 16 civis e três vítimas que ainda não foram identificadas". Os ataques também provocaram 45 feridos, segundo o OSDH, que relatou desaparecidos e pessoas ainda presas sob os escombros. Desde finais de abril, o regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, apoiado pela Rússia (aliado tradicional de Damasco), intensificou os bombardeamentos na província de Idlib e em outras áreas circundantes, ainda controladas por forças insurgentes e ‘jihadistas’. Os bombardeamentos mataram mais de 650 civis e forçaram a fuga de mais de 330 mil pessoas, segundo os dados mais recentes do OSDH e das Nações Unidas (ONU). A província de Idlib, que conta com uma população de três milhões de pessoas, é dominada pelo grupo ‘jihadista’ Hayat Tahrir al-Sham (HTS, grupo controlado pelo ex-braço sírio da Al-Qaida). Esta região foi objeto de um acordo entre a Rússia e a Turquia, com a criação de uma “zona desmilitarizada” que permitiu evitar uma grande ofensiva. Desencadeado em março de 2011 pela violenta repressão do regime de Bashar al-Assad de manifestações pacíficas, o conflito na Síria ganhou ao longo dos anos uma enorme complexidade, com o envolvimento de países estrangeiros e de grupos ‘jihadistas’, e várias frentes de combate.