Startup norte-americana Wanda Maps quer estabelecer-se na Madeira, anuncia Carlos Lopes

O auditório do Museu – Casa da Luz recebeu, esta tarde, o resumo do final de seis semanas de atividades do 3.º ‘Madeira Startup Retreat’, e o balanço não podia ser melhor, já que uma das 11 startups participantes, a Wanda Maps, quer vir para...

Startup norte-americana Wanda Maps quer estabelecer-se na Madeira, anuncia Carlos Lopes
O auditório do Museu – Casa da Luz recebeu, esta tarde, o resumo do final de seis semanas de atividades do 3.º ‘Madeira Startup Retreat’, e o balanço não podia ser melhor, já que uma das 11 startups participantes, a Wanda Maps, quer vir para a Madeira. Isso mesmo adiantou à comunicação social Carlos Lopes, presidente da Startup Madeira, que organiza este programa de aceleração internacional, que convida startups a viverem uma experiência única num ‘laboratório vivo’: a Madeira. Assim, as empresas incubadas atuam na área do turismo e do lazer e exploram novos nichos de mercado, num destino de referência no turismo mundial como é a Madeira. Ao longo das três edições já passaram pela Região 29 empresas, e, ainda que nem todas se estabeleçam na ilha, muitas deixam os seus serviços e continuam as ligações criadas aquando desta iniciativa, que, este ano, decorre entre 13 de janeiro e 21 de fevereiro no Colégio dos Jesuítas. O responsável da Startup Madeira congratulou-se por constatar que, “ao longo destas três edições, já conseguimos atrair e envolver empresas, startups internacionais, mas também parceiros locais, que estão a utilizar as soluções que passaram aqui pela Madeira”. “Desta edição já assinámos um contrato com uma das empresas que está cá, a Wanda Maps, para continuar cá na Madeira, inclusive nos serviços da Startup Madeira, na nossa incubadora”, revelou. “A Wanda Maps é uma empresa que está registada nos Estados Unidos da América, mas tem pessoas de várias nacionalidades, que querem vir para a Madeira, querem estabelecer uma empresa cá, e estão a ser acompanhados também por algumas estruturas e parceiros locais”, precisou. Nesse sentido, lembrou que o intuito deste programa “é encontrar na Madeira, mas também em Portugal como um todo, condições para que startups internacionais na área do Turismo possam testar, utilizar, mas também envolver e melhorar todas as experiências do turista no futuro”.      Madeira é “o lugar perfeito” O secretário regional de Economia, Rui Barreto, marcou presença nesta sessão de balanço do programa, tendo afiançado que “a Madeira é, realmente, o lugar perfeito para este tipo de programa, pois oferece muitos benefícios e oportunidades para startups e projetos internacionais”. Deixando a garantia que “o Governo Regional da Madeira vai fazer tudo para apoiar as empresas locais no seu processo de Transformação Digital”, dirigiu-se aos presentes, realçando que, “a vossa presença aqui é mais um passo em direção ao cumprimento desta missão”. Mais lembrou que o Executivo tem previsto “criar uma Agência de Promoção de Investimentos” e que está “a preparar a ligação por cabo submarino ao continente americano, em particular à América do Sul, que permitirá uma comunicação de dados com rapidez e segurança, com tecnologia de ponta”. “Sermos considerados o melhor destino insular do mundo, pelo quarto ano consecutivo - pelo World Travel Awards -, obriga-nos a inovar permanentemente”, sublinhou, indicando ainda que “o setor de turismo representa 26% do PIB regional”. “A vossa presença aqui, hoje, ajuda nossa economia a crescer e, por isso, estamos gratos por vos ter aqui”, agradeceu, terminando com um repto: “deixo-vos o desafio de continuarem a manter contacto com nossa ilha e com o nosso ecossistema”, já que “a Madeira oferece benefícios fiscais e recursos humanos que podem ser úteis para todas as empresas, tornando-a numa Região de excelência para trabalhar e para viver”, finalizou.