Susana Prada lamenta exclusão da Madeira em programa do Fundo Ambiental

"A Madeira foi, uma vez mais, excluída dos programas lançados pelo Governo Central", lamentou hoje a secretária regional do Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas, durante a cerimónia de entrega do Prémio Ambiental ZFI – 2020, promovida pela Sociedade de Desenvolvimento da Madeira (SDM). O Ministério do Ambiente, como explicou Susana Prada, disponibilizou esta semana, através do Fundo Ambiental, uma verba de 4,5M de euros para tornar os edifícios mais sustentáveis, mas à qual podem aceder apenas os portugueses do continente, tendo os das regiões autónomas ficado impedidos de se candidatarem ao programa. "É de lamentar que o Governo da República tenha criado esta semana um apoio através do Fundo Ambiental, para o qual nós contribuímos, para toda a população do continente e tenha excluído a Madeira", sublinhou a secretária regional. O “Programa de Apoio a Edifícios mais Sustentáveis” irá concretizar-se através de um incentivo operacionalizado pelo Fundo Ambiental, que se traduz no apoio a soluções para reabilitação dos edifícios com o objetivo de melhorar o seu desempenho energético e hídrico, tornando-os mais sustentáveis e gerando múltiplos benefícios (ambientais, sociais e económicos) para o cidadão. As intervenções em edifícios visando a sua sustentabilidade e a reabilitação, encontram-se entre as medidas com maior efeito multiplicador na economia, gerando emprego e riqueza a nível local e regional.

Susana Prada lamenta exclusão da Madeira em programa do Fundo Ambiental
"A Madeira foi, uma vez mais, excluída dos programas lançados pelo Governo Central", lamentou hoje a secretária regional do Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas, durante a cerimónia de entrega do Prémio Ambiental ZFI – 2020, promovida pela Sociedade de Desenvolvimento da Madeira (SDM). O Ministério do Ambiente, como explicou Susana Prada, disponibilizou esta semana, através do Fundo Ambiental, uma verba de 4,5M de euros para tornar os edifícios mais sustentáveis, mas à qual podem aceder apenas os portugueses do continente, tendo os das regiões autónomas ficado impedidos de se candidatarem ao programa. "É de lamentar que o Governo da República tenha criado esta semana um apoio através do Fundo Ambiental, para o qual nós contribuímos, para toda a população do continente e tenha excluído a Madeira", sublinhou a secretária regional. O “Programa de Apoio a Edifícios mais Sustentáveis” irá concretizar-se através de um incentivo operacionalizado pelo Fundo Ambiental, que se traduz no apoio a soluções para reabilitação dos edifícios com o objetivo de melhorar o seu desempenho energético e hídrico, tornando-os mais sustentáveis e gerando múltiplos benefícios (ambientais, sociais e económicos) para o cidadão. As intervenções em edifícios visando a sua sustentabilidade e a reabilitação, encontram-se entre as medidas com maior efeito multiplicador na economia, gerando emprego e riqueza a nível local e regional.