Tema "quem ama não agride" foi levado a conferência no Teatro

O Movimento Democrático de Mulheres 8MDM) realizou ontem no Teatro Municipal Baltazar Dias uma conferência debate com o tema "Quem ama não agride", no contexto da violência do namoro. As oradoras, Sílvia Vasconcelos e Ana Paula Abreu discorreram...

Tema "quem ama não agride" foi levado a conferência no Teatro
O Movimento Democrático de Mulheres 8MDM) realizou ontem no Teatro Municipal Baltazar Dias uma conferência debate com o tema "Quem ama não agride", no contexto da violência do namoro. As oradoras, Sílvia Vasconcelos e Ana Paula Abreu discorreram sobre este fenómeno crescente e cada vez mais precoce entre os jovens e com difícil e longa resolução à vista. Entendem que as famílias, as escolas e a comunidade em geral têm responsabilidade na sensibilização e educação dos nossos jovens para a não-violência e que, no contexto escolar, esta matéria deveria mesmo ser integrada nos programas curriculares em todos os ciclos de ensino. "Se é verdade que muitos dos nossos jovens já têm consciência desta problemática e até já identificam sinais de abuso e violência no contexto do namoro, a verdade é que muitos ainda acham que o "ciúme é a uma prova de amor" e que as "mulheres e homens não têm que ter direitos iguais"2, realçou Sílvia Vasconcelos a respeito. "O MDM continuará a debater-se pela criação de uma rede de escolas livres de violência e por uma sociedade em que por fim seja igual dizer 'meu homem ou dizer minha mulher'. Porque a igualdade é a suprema justiça. A igualdade não gera violência", concluiu. De salientar que estas conclusões são de um estudo realizado entre 2017-2020 em mais de três mil estudantes universitários no nosso país que admitiram que já foram agredidos ou abusados (53%) e que já agrediram (35%).