Trump chama "perverso assassino" a atirador que matou três pessoas em festival

 O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, considerou hoje o atirador que no domingo abriu fogo num festival de alho da Califórnia, matando três pessoas e ferindo pelo menos mais 15, como um “perverso assassino”. As declarações de Donald...

Trump chama
 O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, considerou hoje o atirador que no domingo abriu fogo num festival de alho da Califórnia, matando três pessoas e ferindo pelo menos mais 15, como um “perverso assassino”. As declarações de Donald Trump foram feitas momentos antes da assinatura, na Casa Branca, de um documento que assegura que o fundo de compensação das vítimas do 11 de setembro nunca ficará sem dinheiro. O Presidente acrescentou que o país está “de luto” em homenagem às famílias das vítimas e pediu a Deus que as conforte. Trump, que se opôs firmemente à adoção de medidas de controlo de armas, disse que os Estados Unidos “responderão à violência com coragem e determinação nacional”. A polícia identificou hoje o atirador, que foi abatido pouco depois de começar o tiroteio na pequena cidade de Gilroy, como Santino William Legan, escusando-se a adiantar pormenores sobre a sua identidade. De acordo com as autoridades, o homem conseguiu entrar no festival cortando uma vedação e evitando os detetores de metal das entradas e usou uma espingarda, mas parece ter atingido as pessoas aleatoriamente. Testemunhas deram ainda conta de um segundo suspeito, mas as autoridades não confirmaram a informação. O tiroteio ocorreu pelas 17:30 (01:30 em Lisboa) no último de três dias de festival. Entre os mortos estava um menino de 6 anos. Os feridos foram enviados para vários hospitais, estando alguns em estado crítico. Várias das vítimas do tiroteio no festival de Gilroy foram logo submetidas a cirurgias no domingo à noite, adiantaram as autoridades hospitalares O festival celebra-se todos os anos e alberga vendedores de comida, competições entre cozinheiros e concertos de música, juntando habitualmente 100 mil pessoas.