UE considera que ataques contra civis na Líbia podem implicar crimes de guerra

A Alta Representante da União Europeia (UE) para a Política Externa alertou hoje que os ataques contra áreas residenciais muito povoadas, como sucedeu domingo no sul da Líbia, podem constituir um crime de guerra. “Ataque indiscriminado contra...

UE considera que ataques contra civis na Líbia podem implicar crimes de guerra
A Alta Representante da União Europeia (UE) para a Política Externa alertou hoje que os ataques contra áreas residenciais muito povoadas, como sucedeu domingo no sul da Líbia, podem constituir um crime de guerra. “Ataque indiscriminado contra áreas residenciais densamente povoadas podem constituir crimes de guerra e devem terminar imediatamente”, indicou em comunicado uma porta-voz de Federica Mogherini, numa óbvia alusão ao ‘raide’ aéreo da aviação do marechal Khalifa Haftar. O ataque aéreo de domingo que atingiu a cidade de Murzuq, sul da Líbia, provocou pelo menos 42 mortos e dezenas de feridos, segundo um responsável local. Outras fontes, citadas pela agência noticiosa Efe, indicaram cerca de 20 mortos e 35 feridos. O ataque “tirou a vida de civis no sudoeste da Líbia, uma região que está a pagar um elevado preço pela incapacidade de as partes em conflito porem um termo à crise”, considerou. A porta-voz reconheceu que Mogherini assinalou em outras ocasiões que “quem cometer atos de guerra e não respeitar a lei humanitária internacional deve comparecer perante a justiça e ser julgado”. O Governo de Acordo Nacional (GAN), com sede em Tripoli e reconhecido pela ONU, confirmou em comunicado na sua página Facebook um ‘raide’ aéreo em Murzuq que provocou “dezenas de mortos e feridos entre os civis”. O GAN responsabilizou as forças rivais do marechal Khalifa Haftar por este ataque. Após a queda em 2011 do regime de Muammar Kadhafi após uma revolta e intervenção militar externa, em particular da França e Reino Unido, a Líbia vive uma situação de violência e caos, com a proliferação de diversas milícias armadas.