UE/Cimeira: Líderes europeus avisam que chegada de vacinas não é fim da pandemia

Os líderes dos 27 países da União Europeia (UE), reunidos em cimeira do Conselho Europeu, saudaram hoje os anúncios de novas vacinas contra a covid-19, mas avisaram que “a chegada das vacinas não significa que a pandemia acabou”. Nas conclusões da cimeira relativas à covid-19, publicadas enquanto a reunião ainda decorre, os líderes dos 27 saudaram “os anúncios recentes sobre o desenvolvimento de vacinas eficazes contra a covid-19”, mas alertaram que não se pode baixar os esforços. “A chegada de vacinas não significa que a pandemia acabou. A situação epidemiológica na Europa mantém-se preocupante, ainda que os esforços consideráveis feitos por todos estejam a começar a dar resultados”, referem as conclusões. Os chefes de Estado e de governo da UE referem assim que é preciso “manter os esforços” para “evitar novas vagas de infeções”. Os líderes sublinham também a “importância da preparação para a distribuição oportuna de vacinas, incluindo o desenvolvimento de planos nacionais de vacinas”, mas também a necessidade de as vacinas serem tratadas como “um bem público”. “A UE irá continuar os seus esforços para contribuir para uma resposta internacional à pandemia, incluindo através da iniciativa COVAX para garantir o acesso de todos a vacinas a um preço acessível e justo”, refere o documento. Nas conclusões, os líderes congratulam-se também pelos “esforços de coordenação” feitos ao nível europeu e comprometem-se a fortalecê-los, nomeadamente no que é relativo ao “levantar progressivo de restrições” e ao “retorno a [um cenário de] viagens normais”. “O Conselho Europeu destaca a necessidade de se prosseguir o trabalho e aumentar a resiliência na área da saúde, incluindo ao fazer avançar as propostas para uma União da Saúde e fazendo uso completo dos dados de saúde na Europa”, refere o documento. Os líderes europeus estão reunidos em Bruxelas para a última cimeira do ano, com vários dossiês fundamentais por fechar, que a presidência portuguesa da UE herdará no primeiro semestre de 2021 caso não sejam resolvidos. Curiosamente, as duas questões que estão a deixar a União em suspenso não fazem parte da agenda oficial do Conselho Europeu: o impasse na aprovação do plano de recuperação da União Europeia para superar a crise da covid-19 e nas negociações sobre as relações futuras com o Reino Unido no pós-Brexit. Na ausência de compromissos nestas duas matérias até final do mês, tal significaria que a União Europeia e a presidência portuguesa iniciariam o ano de 2021 sem a 'bazuca' de 1,8 biliões de euros para recuperar da crise - e somente com um orçamento anual de emergência -, e com um 'Brexit' desordenado, sem acordo comercial.

UE/Cimeira: Líderes europeus avisam que chegada de vacinas não é fim da pandemia
Os líderes dos 27 países da União Europeia (UE), reunidos em cimeira do Conselho Europeu, saudaram hoje os anúncios de novas vacinas contra a covid-19, mas avisaram que “a chegada das vacinas não significa que a pandemia acabou”. Nas conclusões da cimeira relativas à covid-19, publicadas enquanto a reunião ainda decorre, os líderes dos 27 saudaram “os anúncios recentes sobre o desenvolvimento de vacinas eficazes contra a covid-19”, mas alertaram que não se pode baixar os esforços. “A chegada de vacinas não significa que a pandemia acabou. A situação epidemiológica na Europa mantém-se preocupante, ainda que os esforços consideráveis feitos por todos estejam a começar a dar resultados”, referem as conclusões. Os chefes de Estado e de governo da UE referem assim que é preciso “manter os esforços” para “evitar novas vagas de infeções”. Os líderes sublinham também a “importância da preparação para a distribuição oportuna de vacinas, incluindo o desenvolvimento de planos nacionais de vacinas”, mas também a necessidade de as vacinas serem tratadas como “um bem público”. “A UE irá continuar os seus esforços para contribuir para uma resposta internacional à pandemia, incluindo através da iniciativa COVAX para garantir o acesso de todos a vacinas a um preço acessível e justo”, refere o documento. Nas conclusões, os líderes congratulam-se também pelos “esforços de coordenação” feitos ao nível europeu e comprometem-se a fortalecê-los, nomeadamente no que é relativo ao “levantar progressivo de restrições” e ao “retorno a [um cenário de] viagens normais”. “O Conselho Europeu destaca a necessidade de se prosseguir o trabalho e aumentar a resiliência na área da saúde, incluindo ao fazer avançar as propostas para uma União da Saúde e fazendo uso completo dos dados de saúde na Europa”, refere o documento. Os líderes europeus estão reunidos em Bruxelas para a última cimeira do ano, com vários dossiês fundamentais por fechar, que a presidência portuguesa da UE herdará no primeiro semestre de 2021 caso não sejam resolvidos. Curiosamente, as duas questões que estão a deixar a União em suspenso não fazem parte da agenda oficial do Conselho Europeu: o impasse na aprovação do plano de recuperação da União Europeia para superar a crise da covid-19 e nas negociações sobre as relações futuras com o Reino Unido no pós-Brexit. Na ausência de compromissos nestas duas matérias até final do mês, tal significaria que a União Europeia e a presidência portuguesa iniciariam o ano de 2021 sem a 'bazuca' de 1,8 biliões de euros para recuperar da crise - e somente com um orçamento anual de emergência -, e com um 'Brexit' desordenado, sem acordo comercial.