Último dia de 2019 terminou sem vítimas mortais nas estradas

O último dia de 2019 terminou sem vítimas mortais nas estradas, revelou hoje a GNR no âmbito da operação "Natal e Ano Novo", a decorrer desde 20 de dezembro, mantendo-se o número de 10 pessoas mortas em acidentes rodoviários. Até às 23:59 de...

Último dia de 2019 terminou sem vítimas mortais nas estradas
O último dia de 2019 terminou sem vítimas mortais nas estradas, revelou hoje a GNR no âmbito da operação "Natal e Ano Novo", a decorrer desde 20 de dezembro, mantendo-se o número de 10 pessoas mortas em acidentes rodoviários. Até às 23:59 de terça-feira, a operação "Natal e Ano Novo" registou 2.793 acidentes de viação, que resultaram em 10 mortos, 47 feridos graves e 715 feridos ligeiros, avançou à Lusa a Guarda Nacional Republicana (GNR). No âmbito desta operação, que teve início em 20 de dezembro e termina no domingo, a GNR fiscalizou 55.643 veículos até ao final do último dia de 2019, contabilizando 18.134 infrações ao Código da Estrada. Dos veículos fiscalizados, 51.028 condutores foram sujeitos ao teste do álcool, culminando em 665 contraordenações e 311 crimes, automobilistas que foram detetados com uma taxa de alcoolemia considerada crime, ou seja, igual ou superior a 1,2 gramas por litros (gr/l). Relativamente à velocidade, a GNR controlou 433.573 veículos, dos quais detetou 8.736 condutores em excesso de velocidade. Outras das infrações detetadas foram a falta de cinto de segurança e de sistema de retenção para crianças, no total de 408 contraordenações, e o uso do telemóvel durante a condução, com 550 condutores apanhados. Os dados até ao final do dia de segunda-feira contabilizavam 2.587 acidentes rodoviários, em que morreram dez pessoas e 45 sofreram ferimentos graves. A operação “Natal e Ano Novo” da GNR arrancou no dia 20 de dezembro, com um reforço do patrulhamento rodoviário nas estradas de maior tráfego do país para prevenir acidentes e garantir a fluidez do trânsito. Para a operação, que termina no domingo, a GNR mobiliza diariamente cerca de 4.600 militares da Unidade Nacional de Trânsito e dos Comandos Territoriais. Durante a operação, os militares da corporação estão “particularmente atentos” ao excesso de velocidade, manobras perigosas, ultrapassagens, mudança de direção e de cedência de passagem, uso do telemóvel durante a condução, não circulação na via mais à direita em autoestradas e itinerários principais e complementares e uso do cinto de segurança. Na área de atuação da Polícia de Segurança Pública (PSP), a Lusa solicitou um balanço atualizado do número de ocorrências, mas esta força de segurança manteve hoje os dados já divulgados, em que foram registados, entre 18 e 29 de dezembro, 1.832 acidentes que provocaram três mortos e nove feridos graves, remetendo para os próximos dias um balanço final.