Uma fusão de expressões culturais no ‘MUDAS. Experimental Sessions’

O MUDAS. Museu de Arte Contemporânea da Madeira será palco de uma iniciativa que pretende fazer uma fusão de expressões culturais no campo experimental, unindo as artes plásticas, a música e a multimédia.  Com estreia marcada para o mês de setembro, o ‘MUDAS. Experimental Sessions’ irá oferecer música e vídeo-mapping – com as projeções a serem feitas neste espaço, de modo fazer uma interação com as obras expostas e com o próprio momento musical.  A iniciativa é fruto de uma co-organização entre o Governo Regional, através da Secretaria Regional de Turismo e Cultura, do município da Calheta e do MUDAS, estando vincada a “preocupação em trazer para este evento artistas madeirenses”, para “ocupá-los, dar-lhes palco, lançá-los, afirmar a sua capacidade, e a sua performance, neste que é um espaço magnífico”, afirmou o secretário regional Eduardo Jesus durante o lançamento do projeto esta quarta-feira na Calheta.  O programa contempla um concerto com uma duração aproximada de 45 minutos, a acontecer no primeiro sábado de cada mês até ao final do ano, pelas 20h30. Os concertos acontecem a 5 de setembro (com Gonçalo Caboz), 3 de outubro (TDF), 7 de novembro (Alexandre Andrade e Francisco Andrade), e 12 de dezembro (Nubélia Fernandes e Irene Rodrigues), sendo que todos eles são abrilhantados com o vídeo-mapping dos Glitch Visual Artists Mário Lopes e Carla Alexa Nunes.  Os espetáculos têm entrada livre, e serão também divulgados através dos canais digitais da Secretaria Regional de Turismo e Cultura e plataforma da Câmara Municipal da Calheta.  Na ocasião, Eduardo Jesus fez salientar que a oferta do MUDAS está cada vez mais a ir ao encontro do que o público procura, tendo em conta que, entre junho e agosto, este museu realizou 39 oficinas criativas, que envolveram 702 participantes a esgotar a maior parte das sessões. Nesse sentido, o governante quis valorizar a colaboração que tem sido feita pela Câmara Municipal da Calheta, considerando o apoio da autarquia “um exemplo de participação de interesses públicos”, em que a edilidade se tem envolvido “desde a primeira hora”, a permitir potenciar todos os eventos que acontecem no museu.  

Uma fusão de expressões culturais no ‘MUDAS. Experimental Sessions’
O MUDAS. Museu de Arte Contemporânea da Madeira será palco de uma iniciativa que pretende fazer uma fusão de expressões culturais no campo experimental, unindo as artes plásticas, a música e a multimédia.  Com estreia marcada para o mês de setembro, o ‘MUDAS. Experimental Sessions’ irá oferecer música e vídeo-mapping – com as projeções a serem feitas neste espaço, de modo fazer uma interação com as obras expostas e com o próprio momento musical.  A iniciativa é fruto de uma co-organização entre o Governo Regional, através da Secretaria Regional de Turismo e Cultura, do município da Calheta e do MUDAS, estando vincada a “preocupação em trazer para este evento artistas madeirenses”, para “ocupá-los, dar-lhes palco, lançá-los, afirmar a sua capacidade, e a sua performance, neste que é um espaço magnífico”, afirmou o secretário regional Eduardo Jesus durante o lançamento do projeto esta quarta-feira na Calheta.  O programa contempla um concerto com uma duração aproximada de 45 minutos, a acontecer no primeiro sábado de cada mês até ao final do ano, pelas 20h30. Os concertos acontecem a 5 de setembro (com Gonçalo Caboz), 3 de outubro (TDF), 7 de novembro (Alexandre Andrade e Francisco Andrade), e 12 de dezembro (Nubélia Fernandes e Irene Rodrigues), sendo que todos eles são abrilhantados com o vídeo-mapping dos Glitch Visual Artists Mário Lopes e Carla Alexa Nunes.  Os espetáculos têm entrada livre, e serão também divulgados através dos canais digitais da Secretaria Regional de Turismo e Cultura e plataforma da Câmara Municipal da Calheta.  Na ocasião, Eduardo Jesus fez salientar que a oferta do MUDAS está cada vez mais a ir ao encontro do que o público procura, tendo em conta que, entre junho e agosto, este museu realizou 39 oficinas criativas, que envolveram 702 participantes a esgotar a maior parte das sessões. Nesse sentido, o governante quis valorizar a colaboração que tem sido feita pela Câmara Municipal da Calheta, considerando o apoio da autarquia “um exemplo de participação de interesses públicos”, em que a edilidade se tem envolvido “desde a primeira hora”, a permitir potenciar todos os eventos que acontecem no museu.