Venezuela: EUA acusam UE de ser “estância” para colaboradores de Maduro

O enviado especial dos Estados Unidos para a Venezuela acusou hoje a União Europeia (UE) de retardar a imposição de mais sanções ao regime de Nicolas Maduro e de servir de “estância turística” para colaboradores do Presidente venezuelano. “Um...

Venezuela: EUA acusam UE de ser “estância” para colaboradores de Maduro
O enviado especial dos Estados Unidos para a Venezuela acusou hoje a União Europeia (UE) de retardar a imposição de mais sanções ao regime de Nicolas Maduro e de servir de “estância turística” para colaboradores do Presidente venezuelano. “Um grande número de personalidades do regime usam atualmente a Europa como uma espécie de estância turística”, disse Elliot Abrams numa conferência organizada em Bruxelas pelo German Marshall Fund, uma organização de estudo e debate de temas políticos. “Enviam para a Europa as suas famílias, as mulheres, as amantes, os filhos. As suas contas bancárias estão aqui. Temos informação sobre as casas que compram e as discotecas que os seus filhos adolescentes frequentam. Isso não devia ser tolerado”, disse. Para o representante norte-americano, as reticências da UE em reforçar as sanções ao regime venezuelano “não ajudam”. A UE congelou os bens e proibiu a entrada em território europeu de 18 ministros e altos responsáveis venezuelanos, mas quaisquer sanções europeias têm de ser aprovadas por unanimidade dos 28 Estados-membros e vários deles opõem-se a novas sanções contra o regime venezuelano. Abrams considerou que a recusa da UE em aplicar novas sanções quando estavam em curso conversações entre o regime de Maduro e a oposição foram “um erro de cálculo”. “Pensamos que a reticência da UE não foi de grande utilidade para o processo de negociação. Só a pressão pode convencer Maduro a negociar seriamente”, disse. Nicolas Maduro suspendeu a 07 de agosto as negociações com a oposição que decorriam desde maio em Barbados, mediadas pela Noruega, em protesto contra novas sanções dos EUA. Elliot Abrams lamentou por outro lado as críticas à política dos Estados Unidos feitas pelo ministro dos Negócios Estrangeiros de Espanha, Josep Borrell, que a partir de novembro sucede no cargo a Federica Mogherini, Alta Representante da Política Externa da UE. Em maio, Josep Borrell acusou a administração norte-americana de se comportar como um “cowboy” em relação à Venezuela, ao repetir ameaças de uma intervenção militar no país. “Rejeitamos absolutamente a expressão ‘diplomacia de cowboy’ e consideramo-la lamentável”, disse o representante.